MUNDO INSÓLITO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Viveu 55 anos com erro de diagnóstico — até desmaiar num voo 14 Janeiro 2019

O pediatra disse que a "criança ansiosa", com "nervos" era "candidata a uma úlcera". Durante 55 anos ela acreditou nesse diagnóstico e preparou-se para ver cumprir o prognóstico. Até que aos 60 anos desmaiou dentro dum avião.

Viveu 55 anos com erro de diagnóstico — até desmaiar num voo

Aos cinco anos, a criança foi levada ao médico porque a meio da noite corria para o quarto dos pais com medo do som dos próprios dentes a bater.

O pediatra disse que Lorri Devlin era "uma criança ansiosa", que isso eram "nervos". O seu diagnóstico foi completado com o prognóstico de que "ela é uma candidata a uma úlcera".

O problema que a fazia acordar durante a noite continuou a acompanhá-la pela vida fora. Com os anos, ela ficou com as mucosas maceradas de tanto morder a parte interna das bochechas durante o sono.

Aos 60 anos, Lorri Devlin descobriu a verdade depois de ter desmaiado durante uma viagem de avião.

Os desmaios aconteciam-lhe durante as situações mais estressantes da sua vida. Mas esse desmaio ia ser diferente dos demais, conta ela num livro sobre a sua vida, com referência consultável online. No hospital, veio um novo diagnóstico: ela sofria de epilepsia.

O pediatra errara o diagnóstico. Tal como os médicos que ela ia consultando ao longo da infância, adolescência, vida adulta...

Difícil aceitação da epilepsia

Uma residente na capital, L, nos trinta. Ela que contou da difícil relação com a mãe, enaltece o pai. Expressa a "gratidão para toda a vida" para com o pai que lhe salvou a vida, quando a levou a Dacar aos 20 anos, para uma consulta.

Ela, durante as conversas, referia que o que a levara à vizinha Senegal foram "dores de cabeça terríveis". Então, certo dia, no trabalho, ela de súbito entortou a boca, caiu ao chão onde ficou a estrebuchar.

Levada ao hospital, ficou-se a saber que ela sofria de epilepsia. Tinha medicação, mas deixara de a tomar.

Como ela, M, já nos sessenta, sofre de epilepsia e periodicamente tem crises porque deixa de tomar os medicamentos, em processo de negacionismo.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project