OPINIÃO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Por onde anda a tal democracia cabo-verdiana? 08 Novembro 2019

Um país que vive pedindo lá fora para suportar o Orçamento do Estado, não pode dar-se ao luxo de oferecer aos Deputados subsídio de Renda, subsídio de Saúde, subsídio de comunicações (móvel e fixo), subsídio de motorista e combustível, subsídio de creche, milhares de contos para manutenção dos gabinetes e conselheiros ,etc. Com essa forma de governar nunca será possível diminuir a saíra miséria populacional. Essa prática anti social está aumentando a pobreza nos subúrbios e zonas rurais, o que por sua vez aumenta a prática de atos de criminalidades hediondos, como os verificados nas últimas semanas nos arredores da cidade capital -Praia.

Por: Carlos Fortes Lopes*

Por onde anda a tal democracia cabo-verdiana?

Como bem disse Saramago “a democracia é apenas uma referência que as instituições financeiras internacionais usam para camuflar as suas operações com países não democráticos”

Os valores fundamentais de qualquer sociedade dependem dos valores da sua governação.

Um país que vive pedindo lá fora para suportar o Orçamento do Estado, não pode dar-se ao luxo de oferecer aos Deputados subsídio de Renda, subsídio de Saúde, subsídio de comunicações (móvel e fixo), subsídio de motorista e combustível, subsídio de creche, milhares de contos para manutenção dos gabinetes e conselheiros ,etc.

Com essa forma de governar nunca será possível diminuir a saíra miséria populacional. Essa prática anti social está aumentando a pobreza nos subúrbios e zonas rurais, o que por sua vez aumenta a prática de atos de criminalidades hediondos, como os verificados nas últimas semanas nos arredores da cidade capital.

Para que qualquer sociedade seja uma sociedade de valores fundamentais, os governos terão que ter atitudes de inclusão social e os membros terão que ser bons exemplos para a sociedade.

Os governos têm a responsabilidade constitucional de incentivar e apoiar ações sociais, protegendo o bem estar das populações em TODAS as ilhas do Arquipélago.
Os governantes, têm o dever constitucional de contribuir para o desenvolvimento do país, consciencializando e informando a sociedade com VERDADES.

Há que passar a respeitar os Cabo-verdianos, de Santo Antão a Brava. Qualquer grupo que for Governo tem por obrigação constitucional de colaborar com outros grupos e cidadãos comuns para que a ação no ensino passe de omissão para a clarificação dos factos ocorridos no país desde a independência. O início da colonização do país faz parte da história do nosso torrão assim como tudo o que aconteceu no país depois da independência, incluindo os nomes dos responsáveis políticos e militares envolvidos nas atrocidades e assassinato de cidadãos indefesos e oprimidos.

Já chegou a hora de se passar a ensinar aos nossos jovens a real história do país. Sejamos realistas e competentes. Sejam eles bonitos ou feios, todos os acontecimentos fazem parte da história deste nosso país que continua a ensinar as crianças temas que não dizem respeito à história real de Cabo Verde.
Enquanto tentamos instruir as nossas crianças, devemos criar condições para que os pais e encarregados de educação se sintam parte do sistema e contribuem com a sua presença nas reuniões para debater a evolução ou não do aluno.

Quanto aos adultos, a exigência é comunicar sempre com os professores para se saber do desempenho do filho ou dos filhos. Trabalhar em harmonia para que ambas as partes tenham uma ideia clara do desenvolvimento do aluno.

Há também que ser capaz de governar respeitando as populações e as suas exigências constitucionais. O país tem condições internas para avançar na senda do desenvolvimento e devemos utilizar as nossas potencialidades internas para organizar o sistema produtivo.

A negação da pobreza existente no país está contribuindo para a inflação do descontentamento populacional que na falta de opções recorre ao tráfico e criminalidade urbana.

De acordo com uma investigação do Telegraph (instituição noticiosa da Inglaterra), “O tráfico de Droga é o contribuinte de peso nas crises sociais no país... existem partes de Cabo Verde onde a vida agora se assemelha a uma versão africana do drama da Netflix Narcos.

A polícia e a judiciária das ilhas vivem na sombra da intimidação dos cartéis, que preferem que se torne outro narco-estado. Os bairros e favelas estão enfrentando uma epidemia de violência contra as drogas e as gangues, um subproduto direto do comércio na Europa, com crianças usando crack a partir dos 12 anos. Na Praia, capital de Cabo Verde, um gueto tem tantos traficantes que é apelidado de "Colômbia". A cultura de gangues também chegou das diásporas cabo-verdianas na “Europa” e “América”, onde muitos vivem em bairros periféricos da cidade.
“Cabo Verde é o World Trade Center da cocaína, e comprar drogas aqui é mais fácil do que comprar água", diz o rapper local Ga Da Lomba, 35, enquanto bebe café em um café da Praia” (Telegraph investigation).

O Respeito mútuo fará a diferença que todos almejamos. Os pobres precisam de melhores condições de habitação e alimentação e, isso tudo é alcançável desde que os governantes forem pessoas do Bem e prescindirem das inúmeras benesses e outros gastos supérfluos.

O dinheiro gasto nessas benesses e despesas supérfluas deve ser utilizado em projectos amigos das populações, emprego e melhores condições habitacionais.
Em muitos casos nem há necessidade de construir de raiz. O projecto “Casa para Todos” continua sendo um negócio sujo (de camaradas, familiares e amigos próximos). Marginalizar os pobres nas barracas é um modo de polarizar a revoltar aumentar a criminalidade.

Enquanto os pobres vivem ao Deus dará, os Governantes gastam milhões em viagens, ajudas de custo, rega bofes, et cetera, sem mencionar o abuso do subsídio de renda (uma lei criada no início da primeira republica para acomodar os dirigentes políticos recém chegados da Guiné e outras paragens e desprovidos de habitação própria na cidade da Praia, onde passariam a residir a tempo inteiro).
Os actuais governantes, e as suas ganâncias financeiras continuam demonstrando o seu nível de egoísmo humano.Aproveitam de tudo, sem dó nem piedade dos cidadãos que vivem na miséria extrema.

O MDCV pretende acabar com todas essas mordomias, logo no primeiro ano legislativo, desde que haja apoio das populações. Como eleitos, seremos TODOS obrigados a trabalhar noite a dentro para resolver os problemas da miséria que assola o país. Criar condições para eliminar a total dependência exterior.

O MDCV leva consigo a mentalidade de trabalho árduo e a Assembleia passará a funcionar de forma diferente. Se for necessário trabalhar noite inteira para resolver qualquer quesito parlamentar os Deputados serão obrigados a tal.

A Assembleia não é como qualquer outra instituição pública que trabalha das 9-9:45 da manhã às 5 da tarde.
Qualquer cidadão que quiser participar na reconstrução do país e precisar de votos para ser eleito terá que respeitar o conteúdo da constituição e do seu juramento na tomada de posse, o que significa que estará disponível para trabalhar arduamente para o bem da nação e do seu povo eleitor. Esta miséria extrema que assola Cabo Verde é uma das causas da violência urbana.E já se verifica um aumento quantitativo e qualitativo nas disputas de control de zonas de distribuição de estupefacientes.

Enquanto se mata cidadãos comuns, os governantes descansam como se nada esteja a acontecer e que o país continua a maravilha do Atlântico Norte! Os governantes nacionais não estão a demonstrar nenhuma preocupação sincera com o sofrimento do povo. Só querem mais e mais benesses, para enriquecerem à custa do dinheiro que devia ser utilizado na melhoria das condições de vida dos miseráveis. Esses pobres coitados, continuam sem água, sem emprego, sem sustento para o aglomerado familiar e ou para suportar os filhos nos estudos universitários.

A agricultura é quase inexistente, por incompetência dos governantes ou, em alguns casos, ganâncias financeiras de representantes locais. Sem agricultura e condições adequadas para se desempenhar a profissão piscatória (falta de água para a agricultura e falta de gelo e material de pesca), Cabo Verde continuará sendo um país dos políticos. O meu objectivo é trabalhar arduamente para criar condições para que os lavradores, criadores de gado, pescadores e o resto das populações se sintam protegidos pelo Estado.

Outro assunto que não posso deixar de referir é a abusiva atitude das delegações escolares em não equipar as escolas com equipamentos e materiais apropriados para os professores exercerem as suas funções com precisão. Para onde estará a ir o dinheiro destinado para o apetrechamento das escolas? Ter que ir fazer fotocópias em estabelecimentos externos, pago com o dinheiro dos professores é, além de exploração profissional, uma total falta de respeito do Ministério da Educação e seus representantes locais.

O povo tem o direito de analisar a sua consciência e ponderar a situação caótica por que passa. Os professores precisam de melhores condições para prepararem as crianças, ensinando-as com carinho e dedicação. O futuro do país depende em parte do trabalho dos professores. Com o aumento exponencial da criminalidade todos temos o dever de contribuir para o bem estar das nossas crianças e os professores têm um papel muito importante na preparação psicológica das nossas crianças.

Já no que diz respeito aos transportes aéreos é ilegal o que a Binter está praticando.
O Governo paga advogados/conselheiros para o ajudar a entender as leis e actuar para proteger o povo. No caso da viagem aérea de qualquer ilha para a ilha de São Nicolau, com passagem obrigatória pelo Aeroporto Nelson Mandela, pagando duas viagens e correndo o risco de ter que dormir na Praia e pagar hotel e transporte, o Governo não interveio até hoje porque alguém está a ser recompensado financeiramente. Já procurei e não encontrei um país arquipélagico que utiliza essa prática ilegal.

A PGR tem culpa também. As populações de São Nicolau estão sem saída, a não ser pelo mar, quando houver barco. Essas populações continuam sendo vítimas do desleixo dos governantes e os presidentes de Câmara e Deputados da ilha não estão a fazer o trabalho que se espera deles.

O direito constitucional do cidadão saonicolauense está sendo violado há já algum tempo.Pagar o preço de dois bilhetes de viagem para fazer uma viagem entre duas ilhas é inconcebível em qualquer país arquipélagico.

O Governo do país tem por obrigação constitucional fazer com que o povo esteja bem e satisfeito. (Ver artigo 7 da constituição da república). A maioria está insatisfeita e temos que unir para trazer a mudança necessária.
Juntos vamos trabalhar para fazer com que o MDCV seja o trampolim para um Cabo Verde sustentável e próspero e que todos se sintam bem no país sem vontade de emigrar em massa.

Somos um grupo que quer fazer de tudo para salvar o nosso país das garras das falsidades dos políticos nacionais que só querem o seu bem estar pessoal, familiar e o da camaradagem.

O MDCV pretende ser a escolha dos eleitores e demonstrar que ainda existe cabo-verdianos sérios e dispostos a trabalhar para o bem da nação e seu povo.
É com este sentido de Estado, responsabilização e meritocracia que o MDCV pretende conquistar a confiança dos cidadãos nacionais, residentes e emigrados pela Europa, USA, South America, África e Ásia.

Juntos faremos a diferença no sector da justiça, onde todos passarão a ter o mesmo tratamento jurídico. Os sectores da Agricultura, Pesca e da Saúde são outras prioridades na lista de propostas.

Com MDCV as pessoas passarão a fazer parte da governação do país, através de contactos directos de representantes governamentais ou através de referendos populares. (Direito constitucional do eleitor).

Com o MDCV, todos serão tratados de igual forma e a opinião de qualquer cidadão será acatada e ou respeitada.

O MDCV valoriza a franqueza, a verdade e a honestidade, através dos quais influenciam positivamente a presença da meritocracy.
Pois, esses valores fazem parte dos subvalores de respeito por todas as opiniões e a lealdade para com o Governo e este para com os cidadãos.
— -

*A Voz do Povo Sofredor

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project