POLÍTICA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Oposição em Santiago Norte: Nada melhorou na região 04 Maio 2018

A Comissão Política Regional (CPR) de Santiago Norte do PAICV avaliou hoje, 05, através de uma conferência de imprensa realizada pela vice-presidente Carla Carvalho, de negativo os dois anos da governação do MpD, asseverando que nada melhorou na região. «Da análise dos dados oficiais, notamos que em Santiago Norte nada melhorou. O desemprego aumentou na Região. A população inativa também aumentou ultrapassando a média nacional. A taxa de subemprego – os empregos sazonais – disparou. Por sua vez, a população economicamente ativa diminuiu», resumiu a dirigente tambarina.

Oposição em Santiago Norte: Nada melhorou na região

Referindo-se a projectos para o desenvolvimento da parte norte de Santiago, Carla Carvalho assegurou que nenhum investimento público foi realizado pelo governo na Região durante estes dois anos. «Não foram abertas novas estradas, não foram construídos novos equipamentos sociais, não se conhece nenhum programa relacionado com o plano sanitário, seja na construção de infraestruturas, seja no domínio do saneamento do meio», acrescentou.

Saúde e estado social grave

No tocante ao sector de saúde e saneamento, a vice-presidente da CPR de Santiago Sul conclui que as unidades hospitalares continuam com os mesmos constrangimentos de falta de equipamentos, de médicos especialistas e de transportes. « O hospital regional está sendo subaproveitado, porque não se fez os investimentos necessários para atender mais de 120 mil pessoas», criticou.

Detendo-se sobre o estado social na região, a conferencistas realçou que a situação da população é cada é vez mais difícil. «Não há emprego, não há esperança. Não houve nesses dois anos qualquer melhoria a nível da promoção social, seja no aumento da pensão social mínima ou no número de beneficiários. O rendimento de inclusão é ainda palavras de discurso».

Situação vergonhosa a nível das pescas e da agricultura

Carla Carvalho acrescenta que no domínio da agricultura e pecuária não se conhece até este momento qualquer investimento, seja nos domínios da água, da modernização da agricultura ou da promoção da criação de animais. Considerou que o único programa que se conhece são os vales cheques que não serviram para nada até agora para minimizar os impactos do mau agrícola na região.

«No domínio das pescas, a situação é vergonhosa: não há crédito para os pescadores, não há formação e não há um programa para as pescas. Assim, fica claro que as grandes potencialidades da Região, agricultura, pecuária e pesca, não têm merecido qualquer atenção do governo. Aliás, estes sectores estão completamente abandonados e alheios ao programa do governo», referiu a responsável do maior partido da oposição.

Falta de investimentos e barragens abandonadas

A título de exemplo, Carla Carvalha lembrou que o governo do MpD encontrou a barragem de Principal a meio caminho, suspendeu as obras sem dar cavaco a ninguém. Sublimou ainda que o actual executivo de Ulisses Correia e Silva encontrou ainda as barragens de Figueira Gorda, Saquinho e Faveta e Flamengos concluídas e não fez qualquer investimento para o desenvolvimento da agricultura e o aproveitamento das águas.

«Perante estes factos, a Comissão Política do PAICV em Santiago Norte gostaria de ouvir do governo para onde foram os milhares de contos que anda a propalar de ter enviado para a Região?», questiona Carla Carvalho, para quem o governo do MpD e os seus deputados não cansam de afirmar, perante os órgãos de comunicação social, de que enviaram para os municípios de Santiago Norte, nestes dois anos, mais fundos do que durante os 15 anos do consulado do governo do PAICV.

Prestação de contas sobre os fundos

Para a mesma fonte, o seu partido não quer dizer eu não fez investimentos. Mas disse ser legítimo perguntar ao governo o que é que se fez com os fundos destinados à Região, uma vez que a população não beneficiou deste dinheiro que o governo anda a dizer que investiu na região.

«A prestação de contas é um dos maiores ativos da democracia. A Região Santiago Norte quer e exige ao governo a prestação de contas dos fundos que afirma ter investido, porque se for verdade estas afirmações, então é de se supor que alguém anda a desviar o dinheiro do Estado para outros fins. Porque, obras, melhoria das condições sanitárias, melhoria da qualidade de vida das pessoas, abastecimento de água, saúde, promoção social, emprego não conheceram qualquer melhoria na Região», questiona a vice presidente da CPR de Santiago Norte do PAICV, questionando «onde está a felicidade prometida pelo MpD para a população de Santiago Norte».

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert

Newsletter

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project