LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Moçambique: Quatro trabalhadores desaparecidos dos caminhos-de-ferro 05 Mar�o 2021

Quatro trabalhadores da empresa dos Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique - CFM estão desaparecidos desde segunda-feira, no centro de Moçambique, disse hoje à Lusa , uma fonte oficial.

Moçambique: Quatro trabalhadores desaparecidos dos caminhos-de-ferro

Conforme a Agência Lusa, os colaboradores desapareceram no troço Floresta - Lunza, na província de Sofala, no centro de Moçambique, após a avaria da dresina (veículo ligeiro ferroviário) em que se faziam transportar, saindo de Inhaminga para Marromeu, disse o porta-voz dos CFM, Adélio Dias. “Os funcionários faziam um levantamento técnico para implementação de um sistema de telecomunicações ferroviárias na região,” avançou.

"Assim que se notou o desaparecimento dos colegas, a direção executiva do centro iniciou ações de busca, tanto na linha férrea, como na rodovia e, mais tarde, reforçada por meio aéreo", acrescentou a empresa, citado pela Lusa, acrescentando que na manhã desta quinta-feira, uma pessoa ficou ferida após um ataque armado contra um comboio na principal linha ferroviária do centro de Moçambique.

“O ataque ocorreu por volta das 06:10 na linha de Sena, no troço entre Mazamba e Cundue, na província de Sofala, e o alvo foi um comboio do consórcio indiano ICVL, que opera quatro concessões de carvão mineral na província de Tete.
O porta-voz dos CFM disse que é prematuro associar os dois incidentes, avançando que as autoridades continuam a realizar operações para a localização dos funcionários desaparecidos”, escreve a nossa fonte.

Ligando o Porto da Beira, via Dondo, ao Maláui, a linha de sena, com 357 quilómetros, é considerada "espinha dorsal" da região centro, e é a partir dela que é transportado o carvão extraído por multinacionais em Tete. “O centro de Moçambique é, há pouco mais de um ano, palco de ataques armados atribuídos a um grupo de dissidentes da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), o principal partido de oposição no país”, escreve a fonte.

De salientar que a autoproclamada Junta Militar da Renamo, liderada por Mariano Nhongo, antigo dirigente de guerrilha, é acusada de protagonizar ataques armados contra civis e forças governamentais em estradas e povoações das províncias de Sofala e Manica, centro de Moçambique, incursões que já provocaram a morte de, pelo menos, 30 pessoas desde agosto do ano passado.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project