CORREIO DAS ILHAS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Ministro da Economia em São Vicente: Holanda confirma financiamento de 35% do projecto do terminal de cruzeiros 24 Dezembro 2017

O projecto da construção do terminal de cruzeiros do Porto Grande do Mindelo, avaliado em 28 milhões de euros, já conta com os 35 por cento (%) de financiamento garantidos, um donativo do Governo Holandês através da Orio.

Ministro da Economia em São Vicente: Holanda confirma financiamento de 35% do projecto do terminal de cruzeiros

A informação foi confirmada hoje, no Mindelo, pelo ministro de Economia e Emprego, José Gonçalves, que assegurou que as obras deverão arrancar finalmente em 2018.

Cabe agora ao Governo completar o financiamento total através de um empréstimo de 55% contraído junto da OFID, um fundo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), e de outros pequenos montantes que virão expressos nos Orçamentos do Estado para 2018 e 2019.

O ministro explicou que a confirmação do donativo é resultado de um encontro “ao mais alto nível” que manteve em Haia (Holanda), acompanhado do presidente do conselho de administração da Enapor, com as estruturas da Orio e do Governo holandês, no qual entenderam que cinco anos era “tempo demasiado” para esperar para a concretização do projecto.

“Entenderam que a nossa mensagem era uma mensagem contundente e que estamos prontos a retomar e a dinamizar este sector e é por isso que vim aqui anunciar em primeira mão esta prenda natalícia que é esse donativo de quase 10 milhões de euros para o arranque deste projecto”, avançou José Gonçalves.

Com a garantia deste financiamento, o ministro de Economia e Emprego entende que é altura de começar com os trabalhos no terreno, “porque vamos entrar em 2018, meio mandato”, e é altura de “dar sinais concretos” na implementação e “não ficar apenas por promessas”.

A concretização do terminal de cruzeiros de São Vicente terá uma componente empréstimo que, não obstante “o Governo estar em alto nível de endividamento”, o ministro avançou que “cirurgicamente e estrategicamente” há áreas como esta que ainda o executivo precisa fazer “esforços suplementares” para as materializar.

“Não é de ânimo leve que se toma a decisão de aumentar a elevadíssima dívida pública mas, dado à importância deste projecto e pelo facto de finalmente conseguirmos convencer a Holanda, parceiro estratégico neste projecto, portanto vale a pena fazer este sacrifício extra em que Cabo Verde sairá a ganhar e São Vicente terá um papel importante”, defendeu.

Quanto ao início das obras, o presidente da Enapor, Jorge Maurício, avançou que este financiamento veio ao encontro do calendário que tinha programado para o projecto do terminal de cruzeiros que era fechar o ano de 2017 já com a engenharia financeira devidamente organizada.

Posto isto, assegurou que a empresa já tem elaborado todos os estudos de viabilidade e de impacto ambiental, faltando ainda os cadernos de encargos e o dossiê do concurso público.

“Da parte da empresa tudo está garantido e programado para que no inicio de 2018 avançamos com o anúncio do concurso público e para que no final do ano seja possível fazer o lançamento da primeira pedra do terminal do cruzeiros de forma muito realista” assegurou o PCA da Enapor.

O terminal de cruzeiros projectado para o Porto Grande de São Vicente terá dois berços de 400 e 350/300 metros, respectivamente, uma profundidade máxima de 11 metros, e será servido por uma gare marítima para passageiros, uma vila turística junto à marginal, que vai ter lojas, free-shops, restaurantes, bares, pequenos museus e souvenirs. Fonte: Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project