MUNDO INSÓLITO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Mensagem em garrafa achada na praia 131 anos depois — lançada ao Índico por navio com provável escala em Sal-Rei 10 Mar�o 2018

A velha garrafa de gin estava semi-enterrada nas dunas da praia de Perth, no oeste da Austrália, e, ao retirá-la, Tonya Illman pensou que ficaria bem na sua estante. Mas desde esta segunda-feira, 5 de março, dois meses depois da sua descoberta, e após trocas intensas de informação entre cientistas alemães e australianos, a ’mais velha mensagem na garrafa’ é a mais recente peça histórica a entusiasmar os visitantes do Museu Nacional, em Perth.

Mensagem em garrafa achada na praia 131 anos depois — lançada ao Índico por navio com provável escala em Sal-Rei

"Esta garrafa foi lançada ao mar em 12 de junho de 1886 na latitude 32° 49’ Sul e longitude 105° 25’ a Leste de Greenwich”, lê-se na tira de papel datilografada exceto na data e coordenadas.

Segue-se a indicação do navio mercante alemão “Paula”, saído do Porto de Elsfleth, Hamburgo, com paragem em Cardiff para abastecer-se de carvão destinado a Macassar, Índia.

“A quem isto encontrar roga-se que envie a mensagem ao Observatório Naval da Alemanha em Hamburgo ou ao consulado mais próximo para ser devolvido à mesma agência, após preencher a informação no verso”. Assinava o capitão.

Encontrada após 131 anos e seis meses e a 950 quilómetros do sítio onde foi lançada, em alto-mar, no Índico, a mensagem — agora autenticada, pelo Museu Nacional da Austrália e pelo Instituto Marítimo e Hidrográfico da Alemanha Federal e o Departamento de Meteorologia da Alemanha Federal — fazia parte de uma experiência com o objetivo de estudar as correntes marítimas dos oceanos Atlântico e Índico.

Uma fonte no Museu australiano exultava: "É incrível! Uma busca nos arquivos, na Alemanha, permitiu achar o diário do serviço meteorológico, com o registo feito no dia 12 de junho de 1886 pelo capitão”. “A data e as coordenadas correspondem exatamente às da mensagem na garrafa”, disse o diretor do Serviço de Arqueologia Marítima do Museu Nacional, em Perth.

Segundo as autoridades alemãs, a garrrafa em causa é apenas uma de mais de seis mil lançadas ao mar durante uma experiência científica que durou 69 anos, com o objetivo de compreender o funcionamento das correntes marítimas e assim descobrir rotas de navegação mais eficientes.

Somente 662 das mensagens (c.10%) foram devolvidas a Hamburgo. Em dois séculos é a primeira vez que se encontra a garrafa, cuja descrição minuciosa está no link abaixo.

Fontes: The Times of Australia. The Guardian/Australia. http://museum.wa.gov.au/maritime-archaeology-db/sites/default/files/ma_report_325_paula_bottle_message_020318_0.pdf

Conexão a Cabo Verde: a probabilidade de o navio mercante da rota da Índia incluir Cabo Verde na sua rota — mais provável uma paragem em Sal-Rei na viagem de regresso — é analisada a partir de cruzamento com informações obtidas em obras de historiografia cabo-verdiana sobre a navegação centrada na Boa Vista.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project