SOCIAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Mensagem de Guterres no Dia Mundial do Habitat — Cidades inclusivas? "Há muito para fazer!" e a responsabilidade é coletiva 03 Outubro 2022

O secretário-geral da ONU defende na sua mensagem de 3 de outubro, Dia Mundial do Habitat celebrado desde 1986, que os governos e a sociedade devem cooperar "para reduzir as desigualdades sem deixar ninguém e nenhum lugar para trás". Pelo mesmo diapasão afina a responsável da ONU-Habitat em Cabo Verde, Jeiza Barbosa, apela a "um trabalho conjunto entre o Governo central e as autarquias", condição necessária para conseguir "aproveitar os ganhos da urbanização" bem como "debelar os seus constrangimentos".

Mensagem de Guterres no Dia Mundial do Habitat — Cidades inclusivas?

Em entrevista hoje à agência noticiosa cabo-verdiana, Barbosa apontou que em Cabo Verde o crescimento das cidades tem, até certo ponto, ultrapassado a capacidade de resposta institucional, pelo que urge "mobilizar capacidades e recursos para poder fazer face a este desafio".

A responsável recorre aos dados das Nações Unidas para apoiar a afirmação de que o ritmo de crescimento urbano em Cabo Verde é "impressionante": em 2010 era de 62 por cento, em 2021 o censo mostrou que esta população atinge os 74%.

Jeiza Barbosa indicou que entre os objetivos do desenvolvimento sustentável traçados pelas Nações Unidas consta o de "cidades e comunidades sustentáveis", tanto na "perspetiva do planeamento do território ou no alinhamento das cidades" quanto na consciencialização de que "as cidades são constituídas por pessoas com as suas necessidades sociais, económicas, culturais e ambientais".

Esse objetivo, o décimo-primeiro do programa habitat ONU, está longe de se concretizar em Cabo Verde, onde a pobreza tem grande impacto nos ambientes urbanos, visível no crescimento dos assentamentos informais.

Daí ser urgente trabalhar essas várias dimensões visando a promoção de cidades e comunidades sustentáveis, considera Jeiza Barbosa em entrevista à Inforpress.

3-10-2022. Mensagem do secretário-geral da ONU

"Todos os anos, o Dia Mundial do Habitat centra-se no estado dos assentamentos humanos.

O tema deste ano – ‘Atenção. Não Deixe Ninguém e Nenhum Lugar Para Trás’ – destaca as crescentes desigualdades nas condições de vida em todo o mundo.

A cascata de desafios – do caos e conflitos climáticos ao Covid-19 – está a atingir mais duramente as populações mais vulneráveis.

A urbanização rápida e sem planeamento está a exacerbar muitos desses desafios.

Hoje, mais de mil milhões de pessoas vivem em assentamentos superlotados com alojamento inadequado – e esse número aumenta de dia para dia.

Precisamos de mais medidas urgentes e de maiores investimentos para fornecer habitação a preços acessíveis a todos – juntamente com acesso a eletricidade, água, saneamento, transporte e outros serviços básicos.

Não deixar ninguém para trás é a principal promessa da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Tal significa fazer com que as cidades funcionem para as mulheres e para as crianças e se diminua os fossos existentes: entre os que têm e os que não têm; dentro e entre áreas urbanas e rurais; e dentro e entre regiões desenvolvidas e em desenvolvimento.

Cidades e assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis ​​são cruciais – e a ação local é fundamental.

Cidades, vilas e comunidades podem liderar soluções inovadoras para enfrentar as desigualdades, garantir abrigo adequado para todos, enfrentar a crise climática e impulsionar uma recuperação pandémica verde e inclusiva.

Tal inclui definir políticas centradas nas pessoas, promover padrões sustentáveis ​​de consumo e de produção e dar prioridade a infraestruturas verdes e resilientes.

No Dia Mundial do Habitat, vamos comprometer-nos a cumprir a responsabilidade que temos uns para com os outros", rematou o responsávelmáximo da ONU na mensagem consultável no site institucional.

...

Fotos: O objetivo (tripartido, fundamental) do Dia Mundial do Habitat tem de ser mais alargado para incluir a ação e fiscalização sobre o que o poder executivo está a fazer para : i) o diagnóstico do estado das cidades, ii) o cumprimento do direito humano à moradia adequada, iii) incentivar o mundo a agir com responsabilidade coletiva sobre a criação do habitat das gerações futuras.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project