DESPORTO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

’Obrigado à bola’ e os onze de Maradona — Papa Francisco aconselhou-o a reconhecer ’ilegítimos’ 30 Novembro 2020

"Digo-lhes a todos que não lhes vou deixar nada, que vou doar tudo. Vou dar tudo o que ganhei na minha vida", disse Maradona. Na quinta-feira, 25, o "maior futebolista do mundo" morreu e, dois dias depois, um dos (alegados) filhos pede a exumação para testes de ADN: "Quero saber quem eu sou".

’Obrigado à bola’ e os onze de Maradona — Papa Francisco aconselhou-o a reconhecer ’ilegítimos’

O alegado filho de Maradona, Santiago Lara, de 19 anos, voltou a relatar na sexta-feira o que já tinha dito na televisão pública argentina em 2019: que, órfão de mãe aos três anos, só soube quem era o pai aos treze anos, em 2014. A avó mandara-o à rua "fazer um mandado" e viu na capa dum jornal a sua foto, pixelada do Facebook, ao lado do maior astro argentino com o título "Filho de Maradona"?

O seu ’pai’, Marcelo Lara, viu-se obrigado a antecipar o que só devia ser contado daí a dois anos quando Santiago tivesse quinze anos. A mãe, Natalia Garat — falecida aos 23 anos de cancro pulmonar —, revelara ao seu cônjuge pouco antes de morrer que era Maradona o pai biológico de Santiago.

Marcelo durante anos, até à maioridade de Santiago, conseguiu mantê-lo longe do assédio da imprensa, mesmo tendo em 2014 decidido que era hora de continuar o que Natalia iniciara em 2004: o processo para o reconhecimento judicial.

O ano passado, Santiago residente na cidade de La Plata, a uma hora de carro de Buenos Aires, falou pela primeira vez à imprensa. Confessou o motivo da ação judicial: "Olho o meu pai (Marcelo) e vejo que não pareço nada com ele, mas pareço com Maradona". "Quero o teste de ADN para saber que eu sou".

Claudia mais seis mães, 11 filhos e a lápide ‘Gracias a la pelota’

‘Gracias a la pelota’/Obrigado à bola: esta a frase para a sua lápide, como Maradona revelou numa entrevista em 17 de outubro de 2005. Durante a mesma, revelou o desejo de ver a ex-esposa Claudia a chorá-lo dizendo "Continuo a amar-te". Mas cinco dias depois, a imprensa argentina destaca o silêncio de Claudia.

Maradona até há sete anos só "tinha" as duas filhas do seu casamento em 1986 com Claudia Villafañe: Dalma que nasceu em 1987 e Giannina em 1989. Las Neñas que o astro mundial trazia tatuadas no braço como mostrou ao peso-pesado Mike que o visitou em Buenos Aires para conhecer o bairro nativo de Maradona Tyson.

Mas antes em 1986 nasceu Diego Junior — hoje astro do futebol a jogar pelo Nápoles e seleção de Itália —, filho de Maradona e de Cristiana Sinagra. Esta tinha 21 anos e era a sua empregada doméstica desde 1984, ano em que o argentino se estreou no Nápoles, aos 24 anos.

Em 2016, El Pibe assumiu esse filho: "Amo-o muito e parece-se muito comigo". A imprensa tem escrito largamente que Maradona reconheceu alguns dos filhos fora do casamento por pressão, desde 1995, do próprio arcebispo de Buenos Aires, futuro papa Francisco.

Em 2017, o tribunal deu por provado que Maradona era o pai de Jana, filha da italiana Valeria Sabalain. Nascida em 1996, Jana encontrou o pai pela primeira vez em 2015. Mas desde 1999 que Valeria recebia pensão de alimentos todos os meses depositada por Claudia, a esposa de Maradona — e namoradinha desde a infância no bairro operário de Los Hierros, uma villa miseria (bairro de lata) na área metropolitana de Buenos Aires.

O único filho extra-marital que Maradona reconheceu sem intervenção judicial foi Diego Fernando, que teve em 2013 com Veronica Ojeda. Mas a gravidez marcou o fim da relação iniciada em 2005. Maradona, treinador no Dubai, abandonou Veronica em Buenos Aires e só voltou para ver o filho.

Em Cuba

Em Cuba, onde fazia curas de toxicodependência, "de 1999 a 2005, Maradona foi pai de Joana, Lu, Javelito e talvez um quarto filho, Harold", divulgou o seu advogado em 2019.

Matías Morla, o advogado, afirmou que Maradona estava disposto a reconhecê-los, mesmo sem testes de ADN. Isto lança dúvidas sobre se ele seria mesmo o pai biológico dessas crianças, a quem quereria apenas ajudar economicamente.

Quem é (são) a(s) mãe(s) dos filhos cubanos de Maradona? Não foi divulgado, assim como se desconhece quem é a mãe de Magali, nascida em Itália em 1996. Adotada em bebé, foi já adulta que Magali conheceu a mãe biológica e esta lhe revelou quem era o pai, com quem se relacionara em 1995, segundo a jovem disse em 2019 em entrevista à RAI.

A imprensa revelou a relação com Adonay Frutos, de 19 anos, iniciada quando o astro de 43 anos estava em cura de desintoxicação em Havana no ano de 2003. A agência noticiosa EFE escreve que tiveram um filho e que os outros filhos cubanos terão uma ou duas mães.

Fontes: Clarín/EFE/. Fotos (Getty/Sun): Maradona, sete mulheres e onze filhos. Alegadamente quatro nasceram de mãe(s) cubana(s), quando Maradona se deslocava ao país de Fidel onde fazia curas de reabilitação para se libertar da cocaìno-dependência.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project