INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

França-Líbano: Ministro da Informação demite-se para facilitar périplo árabe de Macron 05 Dezembro 2021

O ministro libanês George Kordahi apresentou a sua demisão na sexta-feira enquanto o presidente francês em périplo pelas potências petrolíferas árabes assina um contrato de 16 bnE por 80 ’rafales’. O apoio do ministro da Informação aos rebeldes iemenitas levou a Arábia Saudita a expulsar o embaixador libanês e a chamar o embaixador saudita em Beirute.

França-Líbano: Ministro da Informação demite-se para facilitar périplo árabe de Macron

O reino saudita considerou ser o apoio do ministro da Informação (foto ao alto, à esqª) aos rebeldes iemenitas do Houthi "um sintoma do problema mais largo, do Líbano dominado pelo Hezbollah apoiado pelo Irão". A retaliação saudita, de cariz diplomático e económico com a proibição de importações, foi seguida de medidas semelhantes por outros países da região: Emirados, Bahrein, Kowait.

George Kordahi — do partido Marada que assume ser cristão embora apoiado pelo Hezbollah do islão xiita — expressou que é "pelos interesses nacionais do Líbano" que se demite.

Kordahi vinha há quase seis semanas a resistir ao primeiro-ministro Najib Mikati (foto no Eliseu) que o aconselhara a demitir-se, após ter criticado a intervenção militar saudita no Iémen demonstrando apoio aos houtihs.

O politólogo libanês Karim Emile Bitar explica que a demissão de Kordahi é mais um catalisador que uma causa para a atuação saudita cujas medidas retaliatórias nao irão ser levantadas no imediato porque são motivads pela luta entre Teerão e Riade.

"O seu objetivo principal é cortar as asas ao Hezbollah. Todo não passa de um espectáculo que mostrou, mais uma vez, que o Líibano não é um país soberano e paga o preço da guerra por procuração saudita-iraniana", afirmou o académico Karim Emile Bitar, diretor de Ciências Políticas na Universidade Saint-Joseph de Beirute.

Segundo o online Le Figaro, esta demissão — que Kordahi classificou de ato patriota e contra os seus interesses pessoais — acontece a "pedido do presidente francês".

Macron está nos países árabes, numa investida diplomática — e económica, visível no contrato comercial assinado com o soberano dos Emirados (foto inserida ao centro).

Fontes: Le Figaro/Arab News/.... Fotos: O presidente francês assinou em Dubai na 6ªfª, 3 um contrato de 16 bnE (16 mil milhões de euros) por 80 aviões de combate Rafale. No Eliseu, em 24-9 Macron recebeu o novo primeiro-ministro libanês Najib Mikati.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project