OPINIÃO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

EUA: CALÚ E DJIM DJOB VOCÊS MERECEM 23 Maio 2018

O percussionista Carlos Monteiro "Calú" e o baixista Jim Job são dois músicos dos quais nutro uma grande admiração pessoal, não só do ponto de vista musical, mas também como pessoas. Por onde passam, quer em shows ou convívios souberam, sempre encantar e cativar o público. Gozam de uma vertente humanista como poucos. A performance e a naturalidade com que os dois gigantes da nossa música apresentam em palco demonstram a imponência do saber fazer, que não deixam dúvidas. Cada nota tirada revela muita mestria e proficiência.

Por: Carlos Tavares

EUA: CALÚ E DJIM DJOB VOCÊS MERECEM

Para que fique bem claro, ainda não é desta o meu regresso às lides da escrita. De vez em quanto, abro uma exceção, dependendo da pertinência do assunto, rabisco umas linhas. Esse meu preâmbulo, é tão-somente para alertar os meus leitores e não alimentar esperanças falsas. Vou manter a decisão de não suspender o repouso do guerreiro até finais de 2018, início de 2019, como precocemente anunciado.

Sei que há muita apreensão em volta dessa minha pausa, pois desde as eleições de 2016 que o meu silêncio é sepulcral em relação às questões político-partidárias, como também à governação do executivo do Dr. Ulisses Correia e Silva, não obstante haver matérias para dar e vender. Não imaginem como tem sido eupático este meu silêncio, apenas com o propósito de ser coerente com as minhas palavras, quando afirmei, que iria manter-me na retaguarda e ser um simples anotador atento das peripécias deste novel/velho governo ventoinha e do que iria trazer de substancial e proveitoso ou de recessão e danoso ao nosso querido Cabo Verde. Apesar de em regra, o estado de graça aos novos governos são de 100 dias, afrouxei um pouco a corda tendo em conta a recessão económica mundial, dei até 2019, como anteriormente referido. Observando o que tem acontecido com esta (des) governação dos rabentolas, vontade e tentação não me tem faltado de mandar tudo para o escambão e voltar a minha sina de pegar na pena denunciar tudo o que tem passado com esses (des) governantes. Por ora, continuo a honrar este meu prometimento e, vou tentar cumpri-lo. Porém,às anotações reunidas nestes dois anos e meio de (des) governação desses senhores tem sido bastantes e dá para editar vários livros.

Bem, deixemos de lado essa ladainha e vamos ao que me propôs rabiscar essas linhas, em minha opinião, mais profícuas que quesitos outros de caracter politico-partidário. Penso que assuntos da nossa comunidade, enaltecendo e destacando os méritos das nossas gentes, de momento são mais proficientes.

Está agendado para o próximo fim-de-semana, mais precisamente no sábado, 26 do mês de Maio, no Venus de Milo, um jantar de gala, em comemoração aos 40 anos de estrada dos músicos Calú Monteiro e Jim Job respetivamente, duas figuras proeminentes e incontornáveis da música cabo-verdiana e que fazem parte da nossa comunidade.

São intérpretes de excelência da nossa música e que dispensa apresentação. São ícones destacados não só em Cabo Verde, como em todo o mundo. Já atuaram nos grandes palcos por esse mundo fora, acompanhando a nossa Diva dos pés descalços Cesária Évora, do Rei da morna Bana, do conceituado Ildo Lobo e muitos mais. Penso que isso diz tudo.

O percussionista Carlos Monteiro "Calú" e o baixista Jim Job são dois músicos dos quais nutro uma grande admiração pessoal, não só do ponto de vista musical, mas também como pessoas. Por onde passam, quer em shows ou convívios souberam, sempre encantar e cativar o público. Gozam de uma vertente humanista como poucos. A performance e a naturalidade com que os dois gigantes da nossa música apresentam em palco demonstram a imponência do saber fazer, que não deixam dúvidas. Cada nota tirada revela muita mestria e proficiência.

Fora do palco, também, não deixam os seus créditos em mãos alheias, a postura que apresentam é de lhes tirar o chapéu. São pessoas integras, acessíveis, prestativas e verdadeiras com tudo e todos.

Que fique claro que, este meu tributo, não é apenas por serem músicos, mas igualmente por serem indivíduos a quem tenho o privilégio de conhecer e conviver diariamente. Sei do que falo.

Como todo e qualquer cabo-verdiano, a música, é uma das minhas paixões e contribuem sobremaneira para o meu alto astral, a minha alegria, enfim para tudo. Rogo a Deus que os 40 anos de estrada agora memorada sejam contínuos e que venham mais 40.

Pawtucket, RI 22 Maio 2018

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project