MUNDO INSÓLITO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Donalds, amigos: ‘Trump é o Negro do sistema’, diz Don King 07 Junho 2018

Os politólogos dizem que Trump levou para a administração atual as técnicas de combate de boxe que lhe ensinou o ‘Rei do Boxe’, Don King, quando co-organizaram as seis sessões finais do campeonato do mundo de 1987 nos dois casinos Trump em Atlantic City, de Nova Jérsia.

Donalds, amigos: ‘Trump é o Negro do sistema’, diz Don King

Donald King, mcp Don King, o ‘Rei do Boxe’, é um indefectível de Donald Trump, que ele continua a defender com unhas e dentes, depois de lhe ensinar os truques todos, diz-se, com que este promotor de boxe, nascido em 1931 fez os campeões Cassius Clay (futuro Muhammad Ali), das décadas de sessenta e setenta, e Myke Tyson, nas décadas de oitenta e noventa.

Os politólogos dizem que ele ensinou a Trump tudo o que este aplica no espetáculo mediático que é a sua presidência. Tudo começou nos anos oitenta quando Trump entrou para o show-business, primeiro com a organização de combates de boxe, em parceria com King.

Uma dessas técnicas de boxe, que muitos qualificam de manigâncias, consiste em manter o suspense, levar a ansiedade ao público a quem se dará uma aparente primeira vitória, mas sem deixar o adversário K.O. Essa aparência de vitória depois será transformada em algo indefinido que surpreende e faz aumentar a ansiedade do público. Com vários saltos e sobressaltos, mantém-se o suspense até à vitória final.

Os politólogos dizem que são os ensinamentos de King que Trump tem estado a aplicar nas negociações Trump-Kim em curso. Primeiro, o aquecimento: desafio ao adversário, que é insultado, intimidado, e enfim ridicularizado com a alcunha de ‘Rocket-Man’ (homem-foguetão). Depois, a promessa de vitória: marca um encontro para 12 de junho, que “Vai ser uma coisa boa para o mundo”. A poucos dias dessa importante reunião, dá-se a 24 de maio o seu surpreendente cancelamento.
Horas depois, outra reviravolta: a reunião agendada mantém-se.

Meta de vencer em novembro passa por monopolizar a atenção e desviar o foco dos escândalos – Putin amigo, inquéritos FBI/Mueller...

“Para Donald Trump, o importante não é nem a Coreia do Norte nem o resultado das eventuais negociações”, analisa um estudioso das presidências americanas, Andrew J. Polsky, do Hunter College-N.York.

O importante é o colossal desafio em novembro. Trump precisa de vencer as legislativas de meio-termo, em outubro próximo. Por todas e mais uma razão — a vitória democrata pode iniciar ao processo de impeachment que pode levar à destituição do presidente.

A vitória de Trump em novembro está ameaçada pelo crescente sucesso democrata – que venceu as legislativas parciais nos bastiões republicanos que são os estados do Alabama, Pensilvânia. Além disso, as sondagens dão 15 por cento de vantagem aos azuis (cor dos democratas) sobre os adversários vermelhos.

Fontes: Lexpress/Reuters. Foto: Com Don King, indefectível de Donald Trump, que o ‘Rei do Boxe’ continua a defender com unhas e dentes, depois de lhe ensinar os truques todos, diz-se.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert

Newsletter

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project