INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Crise no Reino de Espanha: Juan Carlos e 65 milhões de "presente de amor" a Corinna 06 Julho 2020

A empresária Corinna Larsen confirmou que 65 milhões de euros depositados em seu nome num banco de Nova Iorque (foto), provenientes das contas secretas do rei emérito Juan Carlos em bancos suíços e offshore, constituem um "presente de amor". Mas os investigadores insistem na tese de ser ela uma mera testa-de-ferro.

Crise no Reino de Espanha: Juan Carlos e  65 milhões de

Corinna Larsen, amiga do rei espanhol de oitenta anos, está desde dezembro de 2018 sob investigação da Justiça Suiça. As suas declarações ao juiz fiscal Yves Bertossa foram divulgadas pelo diário El País, na sua edição de hoje (domingo, 5).

A beneficiária dos milhões negou que a transferência tivesse tido a "intenção de camuflar quem é o dono do dinheiro". Trata-se, sim afirmou, de um presente feito em nome da "gratidão e amor", para "garantir o futuro" dela e dos dois filhos nascidos dos seus dois casamentos anteriores à ligação com Juan Carlos.

O investigador insistiu sobre essa excecionalidade da doação, já que a empresária, de 56 anos, é detentora de fortuna própria. Ela assegurou que o rei octogenário "está consciente de tudo o que fiz por ele, estive sempre muito presente quando ele esteve doente". Além disso, ele estava também a ressarci-la dos danos causados quando os serviços secretos de Espanha a raptaram no seu apartamento do Mónaco.

"Penso que existe mais uma razão: ele continua a ter a esperança de poder recuperar-me", rematou Corinna, a rival da rainha Sofia.

Também o rei emérito Juan Carlos está a ser investigado por indícios de branqueamento de capitais e fraude fiscal, por comissões recebidas nas obras de construtoras espanholas num empreendimento na Meca, Arábia Saudita.

A tentativa da Justiça de Espanha para esclarecer a motivação por trás dos montantes que Juan Carlos recebeu de membros da casa real saudita, está a encontrar obstáculos relacionados com as redes tentaculares que, regra geral, acompanham as operações ilegais.

Recorde-se que o rei Felipe VI fez, há um mês, uma declaração pública de repúdio à riqueza do pai envolta em ilegalidades. O rei de Espanha cortou os laços financeiros dúbios com o seu progenitor, através dum comunicado em que diz renunciar à herança do ex-monarca, "cuja origem, caraterísticas ou finalidade podem não estar em conformidade com a legalidade ou os critérios de probidade e integridade".

Fontes: El País/Le Monde. Relacionado: Espanha indigna-se com foto "da vergonha" rei Juan Carlos-saudita Bin Salman, 28.nov.018; Rei de Espanha repudia riqueza do pai envolta em ilegalidades, 16.jun.020. Foto (AP).

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project