INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Costa do Marfim: ‘Prémio Mandela 2019’ para cardeal Christian Tumi, que “ama todos e trabalha para a paz” no país em conflito entre anglófonos e francófonos 22 Julho 2019

O ato solene da entrega do prémio ao cardeal emérito de Douala — que mostra através das suas boas ações estar a “seguir os passos de Mandela” — teve lugar na véspera do aniversário do ícone da luta pela liberdade, 18 de julho.

Costa do Marfim: ‘Prémio Mandela 2019’ para cardeal Christian Tumi, que “ama todos e trabalha para a paz” no país em conflito entre anglófonos e francófonos

O prémio anual do Nkafu Institute, sediado na capital camaronesa, Yaoundé, e com delegação em Douala, a ’capital’ económica da República de Camarões, distingue “a pessoa que através das suas boas ações segue os passos de Nelson Mandela”, como o diretor do instituto de beneficência, Fri Lehfune, afirmou na ocasião.

"Sua Eminência, o Cardeal Emérito de Douala", de 88 anos, é o exemplo de “uma pessoa que combate todos os dias para trazer a paz e a justiça à nossa nação”, afirmou Fri Lehfune, rematando que "ele ama a todos”.

O prémio na sua edição de 2019 elegeu Tumi que labora em prol da união dos camaroneses, divididos por conflitos entre francófonos e anglófonos.

A conferência anual por ocasião do dia de Mandela procurou este ano responder à questão de saber “Como é que Mandela pode inspirar-nos na resolução da crise anglófona na R. Camarões”.

“Não vamos desistir” da conferência de paz ... “com ou sem Paul Biya”

Como noticiava o L’oeil du Sahel na edição do domingo, 14, o cardeal Tumi tem trabalhado incansavelmente para a resolução da “crise anglófona que há três anos mantém o norte do país em conflito”.

Em entrevista recente à publicação panafricana ‘Jeune Afrique’, o cardeal Tumi fez o ponto de situação das tentativas para organizar uma conferência entre as partes em conflito. Frustradas diversas mediações, entre elas a da União Africana, no entanto Tumi promete que não desiste de organizar a conferência de paz “com ou sem Paul Biya”.

Críticas mais ou menos subtis ao presidente da República. Desde 1982 na presidência a que chegou após quase uma década como primeiro-ministro, Biya é o segundo mais longevo chefe de Estado eleito mundial. Só o equatoguineense PR Obiang, de 77 anos, ultrapassa o seu homólogo e vizinho Biya, de 86 anos.

O cardeal, escusando-se a acusar Biya pela espiral de mortandade associada à crise sociopolítica — atiçada mais recentemente pela eleição presidencial de 7 de outubro último —, atribui todavia a responsabilidade pela falta de solução ao chefe de Estado.

Há três anos que “nas regiões do Noroeste e Sudoeste, ocorrem confrontos de militares contra grupos armados separatistas. Mais de 1 800 civis e combatentes anglófonos morreram”, “302 militares e polícias perderam a vida” nestes conflitos.

“Não vamos desistir” da conferência de paz, afirmou o arcebispo de Douala ao rematar o balanço sobre as lutas fratricidas que fizeram em pouco mais de dois anos “mais de 560 000 refugiados na Nigéria e deslocados em outras regiões do país”.

Fonte: Daily News Cameroun/Mutations/outras referidas. Foto: Catedral de Yaoundé, a capital política. Os católicos são maioria (40 por cento seguido de protestantes com 30% e muçulmanos 18), no país a que os portugueses deram o nome no século XV, pouco depois da descoberta de Cabo Verde.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project