AMBIENTE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Consultor defende: Ilha do Maio tem todas as condições para fazer parte da reserva da Biosfera da UNESCO 21 Fevereiro 2018

A Ilha do Maio tem todas as condições para fazer parte da reserva da Biosfera da UNESCO, disse hoje, 20, o consultor dessa organização internacional, António Abreu, à margem do encontro para socialização do projecto “Homem e a Biosfera” da UNESCO.

Consultor defende: Ilha do Maio tem todas as condições para fazer parte da reserva da Biosfera da UNESCO

De acordo com o especialista citado pela Inforpress, a ilha tem todas as condições para ser “uma excelente reserva da biosfera pela sua dimensão e pela sua qualidade e natureza própria e faz parte da Macaronésia”, enfatizou.

Conforme explicou António Abreu, o dossiê da candidatura da ilha à categoria da reserva da biosfera da UNESCO está bem encaminhado, estando neste momento já realizado cerca de 60 por cento da elaboração do projecto, faltando a clarificação do zonamento final, isso porque houve alguns constrangimentos de coordenação administrativa.

Para a mesma fonte, a candidatura é submetida através do comité do MaB nacional até Setembro de cada ano, o mesmo é avaliado pela UNESCO depois de Setembro e o resultado que será divulgado até Julho do ano seguinte, pelo que agora deve ser trabalhado o dossiê por forma a que até esta data todos os preparativos estejam em conformidade com os trâmites exigidos neste processo.

António Abreu reconheceu ainda que o prazo está um pouco apertado, mas avançou que estão reunidas as condições necessárias e todos os parceiros estão engajados para que até Setembro toda a formalização esteja concluída.

Contudo, admitiu que é preciso alguma ponderação para se fazer uma candidatura “bem preparada e sólida” envolvendo e articulando todos os parceiros, pelo que pode acontecer tanto este ano como no próximo em função do desenvolvimento dos trabalhos.

Ainda segundo a Inforpress, explicou que esta distinção pode trazer para a ilha do Maio várias vantagens, a começar pelo reconhecimento internacional, podendo-se ainda ganhar com a valorização da agricultura, da pesca e do turismo, de forma diferenciado e de qualidade em relação aos demais destinos.

“Também ao nível da conservação, favorece uma atenção e atração especial quer por conhecimento quer pela investigação, mas também ao apoio à própria gestão dos recursos naturais”, enfatizou a o consultor citado pela agância cabo-verdiana de notícias.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project