INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

China: Liu Xia, viúva do dissidente Liu Xiaobo, sai do país – Angela Merkel interveio na sua libertação 11 Julho 2018

A poetisa Liu Xia, há vários anos em prisão domiciliária, iniciou o voo Pequim-Berlim na manhã de terça-feira, 10. Liu Xiaobo faleceu, em 13 de julho de 2017, na prisão onde cumpria 11 anos de pena por ter co-elaborado o ‘Manifesto 08’, que pede a democratização da RPC.

China: Liu Xia, viúva do dissidente Liu Xiaobo,  sai do país – Angela Merkel interveio na sua libertação

A libertação da poetisa e artista, que as autoridades chinesas justificaram com a “necessidade de tratamento médico" contra a depressão, acontece no dia seguinte ao encontro entre a chanceler alemã e o primeiro-ministro chinês Li Keqiang.

A governante tinha na sua visita oficial a Pequim, em maio, manifestado ao seu homólogo que Berlim desejava acolher Liu Xia. A Alemanha tinha, desde a morte de Liu Xiaobo, quando a saúde psicológica da viúva começou a deteriorar, vindo a tentar a libertação de Liu Xia.

Liberdade vigiada, forma de prisão

Liu Xia nunca foi formalmente julgada nem condenada, mas estava de facto presa desde 2010, quando Liu Xiaobo, detido desde 2009, recebeu o ‘Prémio Nobel da Paz’. Ela deixou de poder sair da sua casa guardada pela polícia em permanência. Também deixou de ter telemóvel e internet e o telefone fixo estava sob escuta.

Em maio, cinco diplomatas, um alemão, um britânico, um canadiano, um francês e um pela União Europeia, tinham sido impedidos pela polícia de de entrar para visitar Xia, cuja saúde periclitante tinha levado a lançar um apelo pela sua libertação. O governo reagiu pedindo aos diplomatas “respeito pela soberania” da justiça chinesa.

Poema de Liu Xiaobo, o ’Mandela chinês’

O professor de literatura chinesa ganhou fama mundial através das suas críticas literárias, nos anos de 1980. Apoiou em 1989 os protestos de Tiananmen e esteve por isso preso durante dois anos. Voltou a ser preso em 1995-96 e 1996-99. A quarta e última vez foi em 2009-2017.

Em 26 de junho de 2017, dias antes da sua morte, o diário britânico The Guardian publicou o seu poema Prisioneiro teu perpétuo

À Xia
Meu amor,
Nunca vou desistir de lutar para me libertar das grades do opressor, mas vou ser por meu querer teu prisioneiro a vida inteira.

Sou o teu perpétuo prisioneiro, meu amor
Quero viver dentro do mais profundo de ti
Sobreviver nas bolsas do teu sangue
Inspirado pela corrente do teu estrogénio
Ouço o tiquetaque do teu coração

Gota a gota como a neve derretida no córrego da montanha

Se eu fosse um rochedo com milhões de anos
Ter-me-ias dentro
Gota a gota
Dia e noite
(…)

Como teu prisioneiro
Nunca verei talvez a luz do sol
Mas deveras creio
Que a escuridão é o meu destino
Dentro de ti
Tudo está bem

O mundo cá fora
Assusta-me
Extenua-me
Concentro-me
Na tua a escuridão –
Simples e impenetrável.

Fontes: Le Monde/DW.de/ The Guardian. Foto (Getty): O dissidente chinês Liu Xiaobo morreu de cancro na prisão em 13 de julho de 2017.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project