CINEMA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Césares 2018: Melhor filme "120 BPM" trata Sida 04 Mar�o 2018

O maior prémio de cinema em França atribuído na noite de sexta-feira, 2, para sábado em Paris, distinguiu como ’Melhor Filme’ o "120 Batimentos por minuto", evocativo da luta em prol do acesso aos primeiros antirretrovirais no combate à epidemia de Sida.

Césares 2018: Melhor filme

A cerimónia dos Prémios Césares, na sua 43ª edição, distinguiu com seis prémios o filme que evoca a associação "ACT UP", ativa nos anos noventa, que lutava em prol do combate ao Sida —Síndroma da Imunodeficiência Adquirida — pedindo acesso aos primeiros antirretrovirais que começavam a ser fabricados.

"180 Batimentos por minuto", do realizador Robin Campillo, consagra-se em seis domínios: Melhor Filme, Melhor Ator-Revelação (Nahuel Pérez), Melhor Ator Secundário (Arnaud Valois), Melhor Montagem, Melhor Cenário e Melhor Música Original.

"Eis um filme que combate os clichés do militantismo, sem perder uma dimensão informativa concisa e emocionalmente envolvente", descreviam-no assim os media quando no mês passado "120 BPM" recebeu o ’Grande Prémio do Festival de Cannes’ (o segundo na hierarquia do certame).

Além de evocação do militantismo do grupo "ACT UP", em Paris, no começo da década de 1990, o drama "120 BPM" revela o confronto com os mais diversos preconceitos que atingiam muitos dos doentes, em especial os homossexuais.

Au revoir là-haut, o mais direto oponente de 120 BPM, obteve cinco césares, incluindo o Melhor Realizador, Albert Dupontel. A imprensa especializada destaca que os dramas venceram as comédias: Le Sens de la fête, de Olivier Nakache e Eric Toledano, e Le Redoutable, de Michel Hazanavicius apesar de nove nomeações saíram "boka-rusu" da cerimónia.

"I Am Not Your Negro": Melhor Documentário

A Academia Francesa dos Césares distinguiu na categoria Melhor Documentário "I Am Not Your Negro". Realizado por Raoul Peak, o filme-doc "faz uma jornada através da vida e da mente do escritor James Baldwin, que conta a ’história da raça’ na América moderna no seu romance inacabado Remember This House".

Foto (AFP): Robin Campillo, ao centro, com Nahuel Pérez, à sua esquerda, e, à direita, Arnaud Valois e a co-produtora Marie-Ange Luciani.

Fontes: AFP, Cesar2018.org.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project