OPINIÃO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

COVID-19: Alimentar a África da doença 02 Maio 2020

Agora é a hora de distribuir alimentos e dinheiro diretamente para as famílias.Escusado será dizer que proteger a vida e a saúde é uma prioridade, mas a produção de alimentos e os meios de subsistência vêm logo depois. E é por isso que as atividades agrícolas devem ser mantidas. As fronteiras devem permanecer abertas para o transporte de alimentos e bens agrícolas: o COVID-19 não deve desfazer os progressos, alcançados às custas de um trabalho paciente nos últimos anos, em direção a uma maior liberalização do comércio.

Por Qu Dongyu, Josefa Sacko e Thokozile Didiza *

COVID-19: Alimentar a África da doença

Para criar um filho, você precisa de uma aldeia, como dizem os africanos. Mas também podemos argumentar o contrário: para criar uma aldeia, você precisa de um filho.

Uma criança que recebe uma refeição na escola é uma criança que fica na sala de aula e se educa. A pressão económica sobre a família diminui. Com o tempo, o efeito combinado da educação e boa nutrição da primeira infância é sentido em comunidades inteiras, estabelecendo as bases para sociedades mais saudáveis e produtivas. Estudos conduzidos sob os auspícios da União Africana mostram que, se os estados do continente estiverem livres da desnutrição infantil, eles poderão registrar um aumento do PIB de até 16%.

Por outro lado, se a escola estiver fechada, a criança não terá mais acesso à merenda escolar. As famílias estarão em dificuldades. A criança corre o risco de emagrecimento. A longo prazo, a vitalidade económica desaparece. As sociedades perdem terreno. A promessa do desenvolvimento desaparece, não é atingida.
Como a maioria dos outros países, os países africanos responderam à crise do COVID-19 fechando as escolas e os negócios e restringindo a liberdade de movimento das pessoas. E se nos países ricos essas medidas implicam escolhas difíceis, no contexto africano, essas escolhas são de partir o coração. Com altas taxas de insegurança alimentar, uma grande força de trabalho informal, sistemas de saúde fracos, sistemas de proteção social fracos e espaço fiscal limitado, os países africanos - muitos dos quais já enfrentam outras crises, como gafanhotos e secas - correm o risco de hipotecar o seu futuro na esperança de proteger as suas populações.

Para evitar danos irreparáveis, os confinamentos devido ao coronavírus em África devem ser acompanhados por medidas de mitigação rápidas e enérgicas. Em particular, os governos deveriam - com o apoio de doadores, agências multilaterais, ONG’s e atores do setor privado - usar programas de proteção social onde eles existem e criar novos em qualquer outro lugar. Se a necessidade é particularmente sentida nas áreas rurais, as cidades enfrentam um grande risco em termos de estabilidade social: portanto, atenção urgente é necessária em ambos os casos. Agora é a hora de distribuir alimentos e dinheiro diretamente para as famílias.
Escusado será dizer que proteger a vida e a saúde é uma prioridade, mas a produção de alimentos e os meios de subsistência vêm logo depois. E é por isso que as atividades agrícolas devem ser mantidas. As fronteiras devem permanecer abertas para o transporte de alimentos e bens agrícolas: o COVID-19 não deve desfazer os progressos, alcançados às custas de um trabalho paciente nos últimos anos, em direção a uma maior liberalização do comércio.

Além disso, devem ser feitos todos os esforços para aumentar a quantidade e melhorar a qualidade dos produtos agrícolas. Produzir mais e melhor significa aumentar a capacidade. Toda a assistência técnica necessária para isso deve ser disponibilizada. Hoje, precisamos de abordagens viradas para o futuro, com cadeias de abastecimento mais curtas e ferramentas de marketing inovadoras que conectem o produtor ao consumidor através do comércio eletrónico.

Tomando todas as precauções necessárias, as sementes e o material de plantação devem continuar a chegar aos pequenos agricultores, os alimentos para animais e os cuidados veterinários devem ser disponibilizados às comunidades que dependem da pecuária e os insumos da aquicultura, aos piscicultores. As cadeias de abastecimento agrícolas devem ser mantidas por todos os meios, observando-se as medidas de segurança sanitária. Os calendários agrícolas devem ser respeitados, sob pena das colheitas vitais serem perdidas e certas culturas sejam impossíveis, o que afetaria ainda mais a disponibilidade de alimentos. Da mesma forma, os pastores - atores-chave da segurança alimentar nalgumas partes de África - devem continuar a ter acesso ao pasto. As reservas alimentares estratégicas de emergência, ligadas a planos de proteção social, devem ser monitoradas e reabastecidas.

Um cancelamento da safra este ano teria consequências catastróficas. Por outro lado, agora é a hora de pôr um fim às perdas pós-colheita, incentivando o investimento em equipamentos de armazenamento e refrigeração. Ao mesmo tempo, a queda nos preços da energia pode marcar uma mudança histórica para a mecanização.

As previsões económicas indicam que o PIB dos países ricos pode cair 1/3 no segundo trimestre do ano. Nenhum país pode se dar ao luxo de ignorar um colapso desta magnitude. A diferença entre as famílias africanas e a fome é tão pequena, e as defesas que as sociedades têm para combater o desastre são tão precárias que, se não tomarmos as medidas necessárias desde o início, uma tragédia nos espera no final. Neste contexto, os países africanos devem proteger, promover e fortalecer ainda mais o comércio inter-regional.

Cientes desta emergência, a FAO, os ministros da Agricultura da União Africana e os parceiros internacionais reuniram-se virtualmente em meados de abril para se engajarem em minimizar as perturbações no sistema alimentar em África, continuando a trabalhar para controlar a pandemia. As medidas incluem, entre outras coisas, a autorização para atravessar fronteiras para alimentos e bens agrícolas e a prestação de ajuda direta aos cidadãos africanos - de preferência, e se possível, na forma de dinheiro eletrónico ou vales-cheque. A União Europeia, o Banco Mundial e o Banco Africano de Desenvolvimento comprometeram-se a apoiar com vários bilhões de dólares, na forma de financiamento, novo e redirecionado, e na forma de assistência técnica.

A nossa determinação é baseada em nossa experiência. A epidemia do Ébola resultou numa redução drástica na produção de alimentos nas regiões afetadas. Com o COVID-19, podemos impedir que esse desastre ocorra novamente. Nem tudo depende de nós. Mas o que depende de nós precisa ser feito.
...

*QU Dongyu - Diretor-Geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO);
Josefa Sacko - Comissária da União Africana para a Economia Rural e a Agricultura;
Thokozile Didiza - Ministra da Agricultura, Reforma Agrária e Desenvolvimento Rural da África do Sul e Presidente do Comité Técnico Especializado para a Agricultura da União Africana;

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project