LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Angola: Milhares saem à rua em Luanda para marcha contra "insustentável e alarmante" violência 07 Junho 2018

A violência continua a crescer em Angola a todos os níveis, e Luanda por albergar o maior número de angolanos encabeça a lista de casos. O Observatório para Coesão Social e Justiça (OCSJ) de Luanda convocou para 16 deste mês, uma marcha silenciosa contra o "insustentável e alarmante nível de violência" e a banalização da criminalidade, que acontece com a anuência do Estado.

Angola: Milhares saem à rua em Luanda para marcha contra

De acordo com a Agência Lusa, o comando provincial de Luanda da polícia angolana já admitiu esta semana que a capital, com quase sete milhões de habitantes, enfrenta uma onda de criminalidade com um grau de violência invulgar, nomeadamente assaltos à mão armada, homicídios e violações sexuais.

Por outro lado, um agente do Serviço de Investigação Criminal (SIC) foi filmado a abater a tiro, a 01 de Junho, um alegado assaltante, que já se encontrava imobilizado no chão, na via pública, nos arredores de Luanda. “O vídeo do homicídio, relatado como uma execução sumária, foi rapidamente partilhado nas redes sociais, com comentários a favor e contra a actuação do agente, entretanto detido”, cita a Lusa.

Refere-se que, na carta dirigida ao governo da província de Luanda, informando da realização de uma marcha "pacífica e silenciosa contra a violência e a banalização da criminalidade", os dirigentes da OCS - uma organização da sociedade civil angolana que promove a coesão social e os direitos humanos, alerta para o "fenómeno alarmante do crescimento da criminalidade e violência social que em geral está a afectar toda a esfera da sociedade angolana".

Esta violência, sublinha a associação, liderada pelo advogado angolano Zola Ferreira Bambi, é caracterizada "por homicídios, desaparecimentos forçados, torturas, execuções sumárias, agressões físicas e verbais, sequestros e raptos, violações sexuais, detenções e prisões ilegais", mas também "outras formas de maus-tratos perpetrados por particulares, assim como funcionários ou agentes investidos de poder de Estado, como pelas instituições".

Segundo a organização da marcha que terá lugar a 16 de Junho corrente, este fenómeno, que começa a banalizar-se, tem o seu foco nas comunidades e eventualmente nas instituições públicas, como esquadras policiais, centros de reclusão e outras instituições públicas.

Na mesma carta, a mesma organização aponta o exemplo recente, ocorrido a 02 de Maio, envolvendo uma advogada da própria instituição que, no "exercício das suas funções" e "revestida de imunidades garantidas constitucionalmente", foi alvo de tentativa de sequestro, agressões e maus-tratos por "pessoas investidas de poder de Estado", nomeadamente da Polícia Nacional e agentes do SIC.

"Sendo insustentável e alarmante o nível de violência e violações dos direitos humanos, e outros garantidos constitucionalmente, essencialmente os direitos à vida, à liberdade de expressão, manifestação e reunião, à integridade e dignidade humana", justifica ainda aquela organização.

Já, a Polícia Nacional angolana anunciou na terça-feira passada, ter detido, em Luanda, um total de 246 cidadãos pela prática de crimes diversos, em apenas três dias, no âmbito da segunda fase da "Operação Tigre". Esta operação desenrolou-se entre sexta-feira e domingo, permitindo o esclarecimento de 132 crimes e a apreensão de 38 armas de fogo e outras 21 armas brancas, além de 23 viaturas e 29 motorizadas, conforme um comunicado divulgado pelo Comando da Polícia Nacional, citado pela Lusa.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project