REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Aluna de pilotagem, aos 17 anos, conseguiu aterrar com sucesso após avião perder uma roda no aeroporto supletivo do A.I. Logan-Boston 14 Setembro 2018

"Eu já tinha treinado procedimentos de emergência antes, mas não depois de perder uma roda", disse Maggie Taraska, de 17 anos, em conferência de imprensa esta segunda-feira, dia seguinte à sua maior proeza.

Aluna de  pilotagem, aos 17 anos, conseguiu aterrar com sucesso após avião perder uma roda no aeroporto supletivo do A.I. Logan-Boston

Foi no domingo, 9, cerca das 17 horas que a adolescente entrou no avião para mais um exercício no Aeroporto Regional de Beverly, em Massachusetts, que serve também como aeroporto supletivo ao Aeroporto Internacional de Logan que recebe voos de Cabo Verde.

Maggie, que completou 60 horas de voo em três anos de aprendizagem, ia realizar uma viagem para Portland, Maine, distante 150 quilómetros. Era o primeiro dos três voos a solo requeridos para obter o brevê de piloto em monomotor.

A aspirante a piloto descolou e nesse momento um piloto em terra viu a roda da frente a cair do avião. O piloto contactou a torre de controlo que, então, notificou Taraska sobre o sucedido.

"Eu tinha praticado procedimentos de emergência várias vezes e sabia que o melhor era tentar fazer o meu melhor e manter a cabeça fria, para ter o melhor resultado possível", disse em entrevista coletiva na segunda-feira, 10.

O instrutor de Taraska, John Singleton, que deixou os outros aprendizes e dirigiu-se à torre de controlo, comunicou com ela via rádio para a ajudar na aterragem. O aeroporto foi fechado ’para eliminar as distrações’ e vários bombeiros e polícias foram para o aeroporto, para o caso de ser preciso apoio adicional.

Durante uns 35 minutos, a jovem voou em círculos e pousou o avião monomotor de asa fixa por volta das 17h50. "Se não tivesse tido ajuda, não teria conseguido", expressou Taraska.

Gloria Bouillon, gestora do aeroporto, disse ao Boston Globe que o avião sofreu estragos ao pousar na pista e derrapar na relva. "A aterragem correu o melhor possível, tendo em conta a situação", disse. "Maggie Taraska fez um trabalho fenomenal na situação de emergência em que se encontrava".

"Em 37 anos é a primeira vez que vi uma coisa destas acontecer", afirmou o instrutor Singleton. Agora cabe à autoridade aeronáutica — Federal Aviation Administration (FAA) — investigar o incidente com a aeronave Piper PA28, pilotado por Maggie Taraska, concluiu o instrutor dela.

Fontes: ABC News/outras referidas. Foto: Maggie e o pai Walter Taraska.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade



Mediateca
Cap-vert

blogs

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project