OPINIÃO

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

O DEVER DE SER FELIZ 17 Abril 2017

O dever de cada ser humano é ser feliz, isto é, viver de acordo com a Razão. A busca incessante de uma posição social de destaque, a satisfação desenfreada dos prazeres e o acúmulo de riquezas nada têm a ver com a felicidade.

Por: José João Neves Barbosa Vicente

O DEVER DE SER FELIZ

De um modo geral, os homens desejam a felicidade, mas poucos estão cientes que ser feliz é um dever e não um desejo, cada indivíduo nasce naturalmente capacitado para isso, nasce munido da “Razão”, colocá-la em pleno funcionamento é o dever primordial de cada ser humano. É o funcionamento pleno da Razão, isto é, sem amarras ou dependências que faz do homem um ser feliz. Como observou Aristóteles, a felicidade não requer o acúmulo de riquezas ou a satisfação dos prazeres desenfreados, mas sim o viver racional, uma atividade que ninguém pode executar no lugar do outro, pois ela representa a própria essência do homem, e é apenas através dela que cada um se realiza no pleno sentido do termo. Ser homem requer necessariamente ser racional, isto é, viver a “vida da razão” e desfrutar da felicidade; aquele que ainda não alcançou está condição, não é homem e nem deve ser considerado como tal.

Ser feliz, portanto, jamais deve ser considerado como um desejo ou um sonho distante, mas como um dever ao alcance de todos. Não é algo que depende necessariamente das coisas ou dos outros, mas sim do funcionamento da Razão, um instrumento presente em cada ser humano existente ou que venha a existir. Ninguém precisa, portanto, esperar pelos outros ou pelas coisas materiais para ser feliz, pois a força e a condição para isso encontram-se nele mesmo; é preciso apenas a coragem para fazer a Razão funcionar plenamente e soltar-se definitivamente dos cabrestos como, por exemplo, a vaidade, a ganância, as opiniões alheias, as vantagens indevidas e a submissão à vontade dos outros. Pautar a vida na submissão aos outros pensando sempre em obter vantagens particulares, significa, em termos aristotélicos, viver a &ld quo;mais absurda das vidas”, pois é a vida que não cumpre o seu dever de ser feliz.

O dever de cada ser humano é ser feliz, isto é, viver de acordo com a Razão. A busca incessante de uma posição social de destaque, a satisfação desenfreada dos prazeres e o acúmulo de riquezas nada têm a ver com a felicidade. Cada indivíduo deve, portanto, esforçar-se o máximo possível para viver a vida racional, a única vida que o diferencia de todas as coisas existentes e a única, para falar aqui em termos socráticos, que verdadeiramente vale a pena ser vivida. Cada ser humano deve aperfeiçoar-se através daquilo que ele tem de melhor, a saber, a sua Razão, para que ele possa cumprir o seu dever que é ser feliz. Recusar essa tarefa natural é recusar ser homem; é dizer não à sua própria essência. Ninguém nasce feliz, mas cada um nasce capacitado para ser feliz; realizar essa tarefa é um dever natural de cada ser humano.

JB Neves Barbosa Vicente: Filósofo, professor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Editor da GRIOT: Revista de Filosofia.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau
publicidade


Newsletter