NOTÍCIAS

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Mário Lúcio traz “Funanight” em Março 09 Março 2017

O músico e compositor Mário Lúcio lança, neste mês, no mercado discográfico, o seu novo álbum intitulado “Funanight”. Este é o quinto álbum do artista natural de Tarrafal de Santiago, que esteve afastado do estúdio desde 2010, ano em que lançou Kreol.

Mário Lúcio traz “Funanight” em Março

O CD vem homenagear o Funaná e os seus mestres, nos seus mais diversos estilos, bem como vai em encontro à world music, com o single “Minis Funaná” a tocar nas rádios do país. Gravado e mixado no Molatoing Estúdio, em Rio de Janeiro (Brasil), este tema tem duas outras versões com títulos diferentes: Onti (á capella) e Oxi (remix), que abrem e fecham o disco.

Para as plataformas de audiovisual será disponibilizado, muito em breve, o vídeo deste tema, produzido em parceria com a Prisma Vídeos e Mon de Anjo. “Funanight” está programado para chegar aos espaços de venda em Cabo Verde no próximo dia 15 de Março. Entretanto, já está disponível para pré-venda online no endereço: https://mariolucio.bandcamp.com/album/funanight O show de lançamento acontece a 24 de Março, no Auditório Nacional Jorge Barbosa, na Cidade da Praia.

Mario Lúcio é um figura de perfil multefacetado. Nasceu em Tarrafal, ilha de Santiago, Cabo Verde. Começa desde cedo no mundo na música, sendo que aos 14 anos faz parte da banda Abel Djassi. Forma-se em Direito pela Universidade de Havana, mas a música será o seu primeiro objectivo. Mais tarde funda o grupo Simentera e grava os álbuns: Raiz (1995), Barro e Voz (1997), Simentera (1999), Tr’aditional (2002).

Na área da literatura, publicou Nascimento de Um Mundo (poesia, 1990); Sob Signos da Luz (poesia, 1992); Para Nunca Mais Falarmos de Amor (poesia, 1999); Os Trinta Dias do Homem Maïs Pobre do Mundo (Prémio do Fundo Bibliográfico da Língua Portuguesa). Editou ainda as seguintes obras: Vidas Paralelas (2002); O Novíssimo Testamento (Prémio Carlos de Oliveira, Portugal); Biografia do Língua (Prémio Miguel Torga - Cidade de Coimbra 2015): Adão e As Sete Pretas de fuligem (teatro, 2001), Saloon, (2002); Sozinha não Palco (2004); Vinte e Quatro Horas na Vida de Um Morto (2006). Isto sem contar com os livros « Um Homem, Uma mulher e um Frigorífico (2007), Adão e Eva (teatro)».

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
publicidade

Cap-vert

Uhau

Uhau