Presidenciais 2016

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

‘Calexit’, pró-independência da Califórnia, em campanha 29 Janeiro 2017

Os militantes duma ‘Nação da Califórnia’ — iniciativa secessionista que progride passo a passo — foram já autorizados a recolher as 585 407 assinaturas necessárias para votar a medida nas eleições de Novembro de 2018.

‘Calexit’, pró-independência da Califórnia, em campanha

O secretário de Estado da Califórnia, Alex Padilla, deu luz-verde, esta quinta-feira, para que os militantes da ‘Nação da Califórnia’ – movimento também conhecido por ’Calexit’ – comecem a recolher as assinaturas necessárias para votar a medida nas próximas eleições, em Novembro de 2018.

Têm até 25 de Julho para recolher as 585 407 assinaturas, correspondentes a 8% dos votantes inscritos no grande Estado do Oeste.

O Estado da Califórnia, de maioria democrata, se fosse um país seria classificado como a sexta economia mundial.

Secessão muito improvável

A própria autoridade que autorizou a recolha de assinaturas reconhece que é muito improvável que a iniciativa tenha êxito. Em comunicado de imprensa fez lembrar, ainda, que se o ‘sim’ ganhasse, a Constituição teria de receber mais uma emenda para acolher outra redacção que não a actual: “A Califórnia é uma parte inseparável dos Estados Unidos” e “A Constituição dos Estados Unidos é a lei suprema do país”.

O êxito do “sim” teria repercussões sérias no país e no Estado, com consequências no respectivo orçamento que ainda não podem ser devidamente analisadas.

Pró-‘Calexit’ ganham terreno com vitória de Trump

Os promotores do ‘Calexit’, sob o slogan “Yes California”, pedem a independência que justificam com dois argumentos principais. Um, dizem, é que os demais estados estão em contramão com a Califórnia. O Estado do Oeste ganharia mais, seguindo o seu destino a solo rumo a maior prosperidade.

A ideia de independência está a atrair mais a atenção dos californianos desde o 8 de Novembro. A candidata Hillary Clinton obteve 2/3 dos votos do Estado, ou seja, 4,2 milhões de votos mais que o presidente eleito.

Fontes: Le Monde, AFP

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
publicidade

Cap-vert

Uhau

Uhau