CVMA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

CVMA atrai comunicação social portuguesa 06 Março 2015

A 5ª edição dos Cabo Verde Music Awards acontece este sábado, na FIC, Praia. Pela primeira vez, a festa dos prémios da música cabo-verdiana atrai a comunicação social lusa. SIC e Correio da Manhã (Tv e jornal) cobrem o certame que pode consagrar Dynamo ou Jorge Sena, os dois artistas mais nomeados nestes CVMA. O artista que vai receber o Prémio Carreira será um dos 10 a actuar em palco. Espera-se casa cheia a favor das crianças de Chã das Caldeiras, vítimas da erupção vulcânica de Novembro do ano passado. Parte da receita da bilheteira reverterá para elas.

CVMA atrai comunicação social portuguesa

Vânia Oliveira (manequim e apresentadora da TV Zimbo de Angola), o atleta luso-caboverdiano Nelson Évora, Laurindo Vieira da Tiver (canal que vai transmitir em directo a gala) e Big Boss, apresentador da STV (Moçambique), serão os anfitriões das duas mil pessoas esperadas na FIC. Juntos vão conduzir a gala num cenário muito semelhante ao do ano passado, mas com alguns "upgrades" como é o facto de haver um serviço de bar dentro da sala.

Na primeira fila vão estar os "reis" da festa: os nomeados para as 19 categorias. Mas nem todos assistirão ao evento in loco. "Por motivos de agenda alguns nomeados não poderão comparecer", diz Soraia de Deus. São eles Nelson Freitas, Djodje e Carmen Souza que, amanhã, têm de estar em outros concertos. Jorge Sena, o mais nomeado com quatro indicações (ex-aequo com Dynamo), não vai faltar. Vem dos Estados Unidos, onde reside, surpreso e confiante com tantas indicações.

"Espero partilhar ideias com outros músicos num ambiente saudável e alimentar a minha alma. E, como é óbvio, conto levar para casa uma pequena recordação do evento", diz Jorge Sena, para quem "as nomeações só confirmaram os desejos do povo". No entanto, afirma: "Fico com a sensação de que Sena d ’Oru podia concorrer para outras categorias, além de Disco do Ano, Melhor Morna, Melhor Coladeira e Melhor Música Tradicional".

O anúncio dos nomes dos vencedores causa sempre expectativa e emoção. Mas destaca-se como momento alto, aquele em que é revelado o Prémio Carreira. Este ano, o vencedor actuará durante a gala. Soraia Deus não revela quem é, como mandam as regras. Dá uma única pista, mas de pouca ajuda para advinhar: "É um clássico da música cabo-verdiana". Resta esperar para ouvir o nome do distinguido (a) e vê-lo (a) desfilar classe e talento no mesmo palco onde vão actuar os artistas convidados, nacionais e internacionais.

Baby T, DJ cabo-verdiano residente nos Estados Unidos, abrirá a gala com uma performance inédita que inclui videojamming e participação especial do corpo de baile dos CVMA, liderado pelo coreógrafo Djam. Seguem-se Ali Angel (Antilhas), Bruna Tatiana (Angola) Gilyto, Luís Represas (Portugal), Lura, que fará um dueto com um convidado surpresa, os três nomeados para Música Popular do Ano – Dynamo, Lejemea e Mito – e ainda Stewart Sukuma (Moçambique).

O músico moçambicano, principal referência da actual música do seu país, diz-se lisonjeado pelo convite. "Foi bonita a forma como o Gilyto se dirigiu a mim, com muito respeito pelo meu trabalho. Obrigado", afirma Sukuma. Bom conhecedor da música de Cabo Verde, tradicional e moderna, Stewart Sukuma já conhecia os CVMA antes do convite do mentor do evento, graças à conterrânea Neyma, que actuou numa das edições anteriores dos prémios.

Tal como esta cantora, o músico vai cantar na gala o estilo mais tradicional de Moçambique – a marrabenta. "A música de Moçambique e a sua cultura em geral precisam ser divulgadas e valorizadas e este tipo de eventos pode ser uma porta para esse efeito", afirma. E como já é tradição, haverá mais actuações no After–Party, na FIC. Os DJs Elmer Lopes, Amado, Ileno e MC Bife comandarão o ritmo.

Este e outros momentos vão ter, mais uma vez este ano, cobertura garantida dos órgãos de comunicação social nacionais, mas também da África lusófona. A novidade é o interesse que os CVMA estão a despertar em Portugal. Equipas da SIC, do Correio da Manhã (TV e jornal) estão na Praia para acompanhar o evento. É mais uma montra para os CVMA e para tudo que está associado a esta iniciativa musical.

Por exemplo, o espírito de responsabilidade social. Este ano não será atribuído o Prémio Acção Social, "mas vamos apoiar as crianças vítimas da erupção vulcânica no Fogo através da entrega de donativos e parte do valor de bilheteira à Cruz Vermelha de Cabo Verde", garante Soraia Deus. Mais um motivo para querer assistir a este certame, que promete encantar. Música, gente bonita e elegante, talento, glamour e emoção certamente não vão faltar neste evento que a cada ano ganha mais força para prestigiar a Música.

Teresa Sofia Fortes

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau
publicidade



Newsletter