OPINIÃO

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

SOBRE O CARNAVAL DE S. VICENTE DE 2010 – E O TRABALHO DO JÚRI MUSICAL 23 Fevereiro 2010

Se me pergunta se achei competente a decisão do júri da música do Carnaval de S. Vicente de 2010, eu vou ter que ser sincero e dizer que não, mesmo correndo o risco de ferir a ética e de ser mal entendido.

Por: Vlú

SOBRE O CARNAVAL DE S. VICENTE DE 2010 – E O TRABALHO DO JÚRI MUSICAL

Eu não quis dizer isso na rádio, porque às vezes aquilo que se diz ao vento distorce-se por aí em bocas mal intencionadas, e suscita dúvidas indesejadas, enquanto que aquilo que se escreve e se assina, fica devidamente testemunhado.

O Carnaval de S. Vicente é todo ele criatividade e inovação, mas parece que o Júri musical do Carnaval não percebe ou não está interessado em que a música do Carnaval de S. Vicente siga por estradas da originalidade, criatividade e inovação.

Na minha opinião, o júri não acertou ao eleger uma música flat em todos os sentidos, com arranjo e pulsação brasileira, que não acrescentou criatividade nem inovação à música do Carnaval de S. Vicente. Isso tem a ver com o intelecto musical e as opções do júri. É apenas a opinião de um grupo restrito. Não há que se zangar por isso.

A opinião de todo esse povo que esteve a curtir o Carnaval, se calhar é diferente, e se em vez dessas três ou cinco pessoas fossem outras pessoas com outros horizontes se calhar teriam feito uma eleição diferente. Não há crise nesse aspecto. Agora seria bom que se evitasse demasiado subjectivismo de critérios, e que se garantisse suficiente idoneidade e capacidade técnica, de facto, na composição do júri, para que a história seja contada da forma mais coerente possível.

Eu considero-me de missão cumprida mais uma vez. Há muito que cheguei a um patamar em que o objectivo não é ganhar prémios, mas fazer mais e bem feito, de forma a que a música do Carnaval de Mindelo não seja uma música fatela, mas sim uma outra música de Cabo Verde com qualidade em termos de textos e estruturas.

Eu trouxe este ano mais quatro músicas boas para ficar. E não tenho dúvidas que em termos de conteúdo musical a música eleita não esteve à altura das minhas. As músicas que apresentei este ano são estruturalmente inovadoras, dinâmicas, alegres e completamente demarcadas da música tradicional do Carnaval Brasileiro do Rio, que bem contribuíram para que o Carnaval de S. Vicente deste ano fosse durante 15 dias aquele Carnaval fantástico que ele foi.

Foram o ´´Habari Gani´´- Samba Tropical, ´´Terra à vista´´- Mindel Fantasy, ´´Filma!Filma!´´- Sonhos Sem Limites, e ´´Nô para k´violença´´- Jovens de Monte Sossego. Não terá sido por acaso que de todas as músicas de Carnaval deste ano que desfilaram nas rádios só o ´´Filma! Filma´´ esteve no TOP 10. Agora o problema, é que por decisão em regras do Instituto Camões só as duas últimas foram consideradas no certame da música do Carnaval de 2010. O que eu não entendo é porque é que a tantos anos de 1975, da Independência de Cabo Verde, ainda coisas Camões determinam o como, e o que é, e o que não é, no cenário cultural de Cabo Verde.

O Instituto Camões insiste em regras que cegamente confinam o Carnaval de S. Vicente à Terça-Feira, quando ele de facto se passa durante dias. Ou seja, a troco de um prémio está-se a impor regras que poderão estar a entortar a escrita da história do Carnaval de S. Vicente.

Eu escrevi há alguns dias algumas linhas sobre o que foi a selecção da melhor música do Carnaval de 2009 e de 2008, e em resultado o Hernâni Almeida, que é um músico de reconhecida intelectualidade musical, se calhar o melhor que tinham nesse júri foi simplesmente afastado. Porque ele denunciou os contra-sensos das regras dessa selecção.

O júri é aquele que é eleito, e a decisão do júri tem que ser acatada. Porém não é proibido duvidar-se da idoneidade do júri. Também é verdade que eles nem sempre acertam na escolha do melhor, como nós também nem sempre acertamos no melhor. Agora quando se afasta o músico Hernâni Almeida desse júri, por ele ter exposto a verdade, e se insiste em ter nesse júri pessoas que não são músicos, ou exacerbadamente tradicionalistas, parcialistas, ou de reconhecido fraco open mind, que se manifestam veementemente hostis a a, b, e c, que acham que a minha música, não deve ser premiada porque segundo dizem eles eu não preciso do valor do prémio, e eu ando armado em bom, estamos perante uma situação séria que precisa ser revista.

É preocupante ter gente assim a tomar decisões que se deseja tecnicamente bem fundamentadas. Haja coerência e norte. O meu desafio desde 1982 era dar à música do Carnaval de S. Vicente um formato nosso, diferente da música brasileira do Rio, livre, criativa e sempre inovadora, em crioulo, com texto literário de conteúdo social mindelense interessante e texto harmónio e melódico livre.

Agora já há muitos compositores novos nessa esteira, incluindo o Paul Block, aquele compositor de Baralha Bô Da, aquele outro de Bzôt Tchma Pliça, e outros mais, cada um à sua maneira, e o grande número de composições que tenho feito durante todos estes anos, com um nível de aceitação elevado, dão-me uma agradável sensação de missão cumprida neste aspecto.

Há uma outra coisa que eu gostaria de dizer. Este ano pela primeira vez na História de Cabo Verde, fez-se os primeiros voos charters internacionais para S. Vicente, e pela primeira vez os emigrantes voaram em três charters directos da Europa e dos Estados Unidos para Mindelo, motivados pelo Carnaval de Mindelo. Para mim foi o que de maior aconteceu este ano, e não tenho dúvidas que começou uma nova era para S. Vicente, que muito promete ao povo desta ilha. Eu gostaria de ver as pessoas e organizações que contribuíram para esse facto oficialmente reconhecidas.

Esse facto diz-me que chegou a hora de se levar a sério o Carnaval de S. Vicente, como um produto turístico de grande valor, virado para a nossa emigração, e não só, que bem trabalhado poderá desempenhar um papel importante na economia desta ilha.

Eu pessoalmente gostaria de aproveitar para felicitar a Direcção Comercial dos TACV, O Tchey Medina, O Toy Neves, a Agência NevesTravel, O Pish, O Grupo Tchpa Oss, todos os emigrantes que vieram e aqueles que contribuíram para que esse empreendimento fosse realizado com sucesso.

Obviamente a maior ovação devera ser dirigida à Câmara de S. Vicente, aos patrocinadores, à Policia Nacional, aos Militares, e aos grupos Escola de Samba Tropical, Mindel Fantasy, Monte Sossego, Flores de Mindelo, Sonhos Sem Limites, Jovens de Monte Sossego, ao povo ordeiro de S. Vicente, a todos os grupos de animação, aos mandingas, a todos os outros visitantes, ao pessoal de Santiago que veio brincar o Carnaval connosco, aos artistas de design e produção, e aos meus colegas músicos, pelo esforço e o empenho a que todos se prestaram para fazer do Carnaval de 2010 mais um bom Carnaval de Soncente.

Obrigado.

´´Vlú´´

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau