OPINIÃO

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

País mágico a Venezuela de Maduro 2 07 Agosto 2017

Sobre a Venezuela, que rompeu com os caminhos rasgados por outros e procura criar o seu próprio, até a voz mais avisada nos surpreende ao pedir a suspensão da eleita Assembleia Constituinte, recém-empossada. Desta sobre a qual não passam esclarecimentos mas só fiapos do real e muita ilusão. Fora da mitologia de Macondo, o realismo mágico pode trazer danos à realidade quotidiana.

Por: Alexandres Soares

País mágico a Venezuela de Maduro 2

Confesso que após as imagens chocantes da violência nas ruas, e seu saldo de centena e meia de mortes (dez das quais no domingo das eleições), já não esperava algo impactante como estas imagens. Mas aconteceu: com emoção assisti à sessão inaugural da controversa Assembleia Constituinte, que tanta incompreensão está a suscitar a nível internacional. 545 eleitos de braço no ar a participarem, nesta sexta-feira 4, na cerimónia que tem lugar no Palácio Federal Legislativo em Caracas.

Por entre os protestos organizados pelos opositores. Como se pudesse haver democracia sem votos. Vitoriosos nas Legislativas de 2016, os oponentes a Maduro celebravam então, há precisamente um ano. E hoje foi o que vimos nas ruas do país depauperado pela crise do petróleo. Mais uma vez se cumpre o ditado: “Onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão”.

Na sessão inaugural que arrancou cerca das 13h (mais 4 em Cabo Verde), foi designada a
presidente da Assembleia Nacional Constituinte, Delcy Rodriguez (ao centro, na foto). indefectível do presidente Nicolás Maduro e ex-ministra dos Negócios Estrangeiros, fica na história como a protagonista da saída da OEA — Organização dos Estados Americanos — em abril deste ano.


Assembleia Constituinte para cumprir a República Bolivariana

“Frente às balas e ao ódio, votos”, diz a tigresa Delcy Rodríguez.

“Nunca vamos entregar as bandeiras”, garantiu a advogada de 48 anos em entrevista à AFP, uma semana antes de ser designada presidente da Assembleia Nacional Constituinte. Alguns excertos:

– Para quê estão a fazer a Constituinte?

É a única saída imediata que temos para resolver os problemas entre os venezuelanos, garantir a paz, derrotar a violência. Frente às balas e ao ódio, votos. A nova Constituição será submetida a um referendo, ali estará a sua legitimidade.

– Instaurar-se-á uma ditadura comunista, diz a oposição. O que é que lhes responde?

Uma Constituinte não pode fazer marcha-atrás dos direitos que já estão na nossa Constituição. Pelo contrário, é para os direitos progredirem.

– Vai haver uma caça às bruxas?

Não se trata de perseguir pessoas, mas o crime. Uma das propostas que levarei à Constituinte é transferir a iniciativa da ação penal do Ministério Público para a vítima.
A direita substituiu a ação política pela ação criminal. A direita nunca condenou linchamentos nem quando uma pessoa foi queimada viva só por ser chavista.
A maioria desses dirigentes têm imunidade parlamentar, mas que usaram como uma espécie de “licença para cometer crimes”.

Foto Le Monde: Delcy Rodriguez (ao centro, de vermelho) eleita presidente da Assembleia Nacional Constituinte. À sua esquerda a Primeira-Dama Cilia Flores e o ex-MNE Diosdado Cabello. Rodapé: fotos (da Reuters). Os retratos de Simón Bolívar e Hugo Chávez transferidos para o Palácio Legislativo. Os novos constituintes no Salão Elíptico do Palácio Legislativo, a nova sede do 1º Poder, após ’despejo’ dos deputados da Assembleia Nacional, que à cautela não se apresentaram.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau