POLÍTICA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Movimento Sokols 2017 quer revisão Constitucional para permitir cidadãos concorrer ao parlamento 21 Setembro 2017

Os activistas do Movimento Civio Sokols (MCS) propõem, através de um manifesto a que este jornal teve acesso, aos eleitos nacionais a Revisão Constitucional necessária, de forma a permitir a participação dos cidadãos - através de listas de independentes - nos órgãos de decisão política, nomeadamente no Parlamento Nacional, sem a necessária imposição partidária. A pretensão deste grupo é dar continuidade à sua acção cívica, lutar para a consciencialização da população cabo-verdiana sobre a liberdade de intervenção política, através de acções sociais junto das comunidades.

Movimento Sokols 2017 quer revisão Constitucional para permitir cidadãos concorrer ao parlamento

Segundo o documento, esta proposta faz parte de uma das acções do Movimento para fazer chegar a voz cidadã junto da classe política sobre a realidade económico-social enquadrada no todo nacional.

“Com isso, queremos que a nossa acção continue até ao alcance dos objectivos a que nos propusemos (gerais e específicos), abertos a ouvir o que pretende fazer a governação (central e local), em resposta às justas reivindicações”, refere a mesma fonte.

O manifesto tornado público precisa que os objectivos principais deste MCS passam por trazer à democracia nacional a opinião e posição da cidadania sobre várias medidas e decisões que lhe dizem respeito e que tenham impacto na sua vida quotidiana. Pretende ainda estimular a participação dos cidadãos na formação das decisões e medidas políticas, empreender discussão cívica descomplexada sobre os instrumentos de gestão e governação do país, entre outros aspectos de carácter social.

Outras inquietações do MCS dizem respeito à luta para a descentralização / desconcentração de poderes e autonomia decisória. Tudo para que nas ilhas se possa responder com efectividade aos problemas locais, resolver o problema de transportes marítimos e aéreos existentes em Cabo Verde, melhorar a distribuição dos recursos nacionais, de modo a permitir um desenvolvimento justo e harmonioso de todas as ilhas que fazem parte do arquipélago.

De salientar que o Sokols 2017 autoproclama-se como um grupo de cidadãos apartidário, livre e independente, com objectivos de intervenção ao nível da sociedade civil para sua consciencialização, acção social e política, funcionando como um “regulador e barómetro” da democracia e da acção governativa (central e local).

Recorde-se que a primeira acção deste Movimento aconteceu em São Vicente no dia da independência nacional - 5 de Julho último - através de uma mega-manifestação, onde, segundo os seus dirigentes, participaram entre 10 e 15 mil cidadãos de forma pacífica, ordeira e com civismo.

“São Vicente esteve em destaque nesta primeira acção por ser a ilha onde residem os seus membros, sendo profundos conhecedores dos problemas que a afectam, mas nunca nos cingimos a quaisquer objectivos egoístas, ou mesmo bairristas que coloquem em causa a unidade nacional”, faz questão de relçar o Sokols no manfiesto que acaba de tornar público.

Celso Lobo

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau