POLÍTICA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

MPD anuncia o desafio de separar o partido do Estado 14 Mar�o 2017

Separar o partido do Estado é um compromisso firme do Movimento para a Democracia, no poder em Cabo Verde. O anúncio foi feito, nesta quarta-feira,14, em que o partido celebra mais um aniversário, através do membro da Direcção Nacional, Lourenço Lopes, durante uma conferência de imprensa realizada na Praia.

MPD anuncia o desafio de separar o partido do Estado

Lopes, que é também presidente da Academia MpD, retoma assim o debate do polémico tema relacionado com as incompatibilidades, cuja proposta para inclusão nos estatutos do partido foi rejeitada na última Convenção.

Numa referência indirecta ao projecto de lei nesse sentido já remetido ao parlamento pelo governo, Lourenço deixou claro ser um compromisso firme do seu partido no tocante à separação do partido do Estado. «Separar, de forma gradual e definitiva, o partido do Estado é um compromisso firme do Movimento para a Democracia, que definiu o sistema de incompatibilidades como elemento essencial para essa separação e para o reforço da transparência no exercício de funções públicas e políticas, já demonstradas nesses primeiros meses do mandato que termina em 2021»,asseverou.

Referindo-se à polémica proposta sobre as incompatibilidades, Lopes considera que os cabo-verdianos avaliam-na de forma positiva. « É nossa firme convicção que os cabo-verdianos avaliam positivamente a nossa visão e propósitos quanto à implementação da lei das incompatibilidades, assim como a criação de condições sustentáveis e seguras quanto ao acesso aos cargos na Administração Pública».

Para o político, os desafios do desenvolvimento de Cabo Verde exigem um forte compromisso com as necessárias reformas a nível da Administração e do funcionamento do Estado e das suas instituições, que devem pautar-se por um elevado e genuíno sentido de serviço público. «O Estado existe é para servir os cidadãos e ele deve ser o estritamente necessário para garantir a estabilidade e o equilíbrio do país nos mais variados sectores da actividade política, económica e social», fundamentou.

Diante disto, Lourenço Lopes garantiu que o MpD mostra-se totalmente aberto ao diálogo e concertação com as demais forças políticas nacionais sobre questões de regime, que exigem a absoluta vontade de todos os sujeitos políticos.

Aniversário e ciclo de conferências.

Lourenço Lopes falou também do 27º aniversário do MpD – foi criada a 14 de Março de 1990 -, em que destacou ser um património dos cabo-verdianos. «Assim como no início desta caminhada, o nosso Partido continua a ser Cabo Verde. Servir Cabo Verde é a nossa missão. Fizemo-lo no Governo (1991-2001), na Oposição (2001-2016) e agora de novo na liderança dos destinos da governação do país, sempre sintonizado com as legítimas expectativas dos cidadãos. Mais do que pertença dos militantes, o MpD é um património da democracia e dos cabo-verdianos».

Para assinalar mais um aniversário do partido, a Comissão Política Nacional, através da Academia do MpD, já agendou um ciclo de conferências para debate de vários temas. «Esse ciclo de conferências acontece na Praia (14 de Março, terça-feira, às 18 horas, no Hotel Trópico), em São Vicente (16 de Março, quinta-feira, às 18 horas, na Academia Jotamont) e no Fogo (20 de Março, segunda-feira, às 17 horas, no Hotel Santos Pina, em São Filipe)».

Lourenço Lopes anuncia que essas conferências serão animadas por vários dirigentes nacionais e locais do partido e pelo líder Ulisses Correia e Silva.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau