CVMA

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Elji, Lejemea e Djodje foram reis na noite dos CVMA 08 Mar�o 2015

O “Toni” de Elji venceu na categoria de Melhor Videoclip. O rapper agradeceu à sua ilha de origem, Boa Vista, e em especial ao fã que inspirou esta música e que veio com ele para a Gala. “Djan bira Fino” de Lejemea venceu o prémio de Melhor Funaná. Apesar de não estar presente na Gala, Djodje recebeu não uma mas duas distinções – Melhor Kizomba e Melhor Artista em Palco.

Texto Cristina Morais - Sapo.cv

Elji, Lejemea e Djodje foram reis na noite dos CVMA

A quinta Gala dos Cabo Verde Music Awards começou por volta das 21 horas com o habitual desfile na passadeira vermelha. Como é habitual, várias foram as personalidades que passaram pelo certame.

A gala que atribui os prémios da música cabo-verdiana teve o seu arranque pela mão e voz dos apresentadores de serviço – Vânia Oliveira, vestida pela designer Alzerina, e Laurindo Vieira. Sem mais demoras foi entregue o prémio de “Melhor Animador de Comunicação Social” ao Djosinha, ex-elemento do mítico grupo Voz de Cabo Verde, e que trabalha na WFJ FM Massachusetts, nos EUA.

Eneida Marta abriu a lista da actuações da noite que prometia ser longa. A cantora da Guiné-Bissau que tem uma costela de Cabo Verde, actuou acompanhada pelo também músico de origem guineense Remna Schwarz e trouxe ritmos tipicamente africanos ao palco da Gala.

Um dos artistas mais nomeados da Gala, Jorge Sena, venceu o prémio de “Melhor Coladeira” com o tema “Nha Tofé” e agradeceu a várias pessoas inclusive à ilha de Fogo e a Chã das Caldeiras.

Vaiss Dias venceu o prémio de “Melhor Produtor Musical” com o disco “Pano Terra” de Rui Cruz. O músico foi parco nas palavras mas agradeceu aos pais.

Nomeado em duas categorias, Mito Kas Kas, actuou com o tema “Tcheru Maleta” e brincou com os presentes ao afirmar que hoje muitos dos trajes da Gala tinham “tcheru maleta”.

E Elji voltou a vencer com a música “Toni” desta vez na categoria de “Melhor Hip-Hop”. O cantor subiu ao palco acompanhado do fã que inspirou o tema.

A música “Lume de Lenha” do DJ Franklin Rodriques feat. William Araújo venceu na categoria de Música Electrónica.

Stewart Sukuma trouxe a música de outro representante dos PALOP para os CVMA – Moçambique. “Estão preparados para dançar marrabenta?”, brincou o músico.

E o prémio de “Melhor Música Tradicional” foi para o tema "Sakutan" de Rui Cruz. O músico dedicou o prémio à família. "Música é o sentido da nossa vida", afirmou.

“Terra Sabe” de Loony Johnson é a “Melhor Música Urbana” desta edição. O cantor agradeceu a todos que o acompanham nesta caminhada e salientou que este prémio vem com um ano de atraso.

O SAPO Award foi para os Rapaz 100 Juiz, que foram os mais votados online no SAPO Muzika. Confessando que não estava à espera de receber esta distinção, a dupla presente agradeceu aos utilizadores por votarem no seu grupo.

Depois chegou a vez do zouk das Antilhas ser entoado no pavilhão da FIC. Com "Ali&Marisa”, os intérpretes Angel e Marisa lado a lado cantaram o seu tema.

A seguir a um breve intervalo, foi a vez de Lejemea e as suas balarinas brindarem o público com o funaná candidato a Música do Ano – “Djan bira fino”.

E a “Melhor Kizomba” do Ano foi para a música “Poderosa” de DJodje feat Dynamo. O artista residente em Portugal não pode estar presente no evento.

“Djan bira Fino”de Lejemea venceu o prémio de Melhor Funaná. Visivelmente emocionado, faltaram-lhe palavras para agradecer a todos. Lejemea afirmou que 2014 foi um grande ano na sua carreira e também na vida pessoal. Mal sabia ainda o artista que viria a ganhar o prémio de Música do Ano.

O kizomba entrou em palco pela voz da angolana Bruna Tatiana. Quem também mostrou os seus dotes de dançarina e de cantora em palco foi a apresentadora Vânia Oliveira.

A morna da Brava “Marlene Lebâ’n ku bo”, na voz Gardénia Benros foi a vencedora na categoria de Melhor Morna. A cantora não pode estar presente mas o filho do poeta Silvestre Faria, autor da música, recebeu o prémio e referiu que o tema foi composto há 69 anos.

Esta Gala foi também a despedida para Teté Alhinho, presidente do Júri dos CVMA, que agradeceu a oportunidade de participar neste evento durante três edições.

DJ Pensador que entregou o prémio na categoria de Melhor DJ pediu um aplauso em pé para os DJs de todo o mundo. E foram os Motafied Beatz os grandes vencedores nesta categoria.

Seguiu-se mais um momento musical, com Dynamo a cantar o tema “Princesa” — a solo, mas apoiado pelos fãs.

Mais um apresentador subiu ao palco: Big Boss da televisão STV de Moçambique juntou-se a Vânia Oliveira.

Os CVMA, a Unitel T+ e a Associação Ajudar a Ajudar, fundada por cabo-verdianos em 2012 nos EUA, juntaram-se este ano para apoiar a população de Chã das Caldeiras. O Presidente da Cruz Vermelha de Cabo Verde recebeu um cheque correspondente a uma parte das receitas arrecadadas na Gala.

Gilyto Semedo também subiu ao palco para cantar e dançar...o funaná. E para surpresa de muitos, o cantor e anfitrião do evento apresentou também ao público o seu mais recente tema: “Peace and Love”.

A seguir a um breve intervalo, aconteceu mais um momento musical, desta vez com o português Luís Represas que cantou o tema “Feiticeira”.

A cantora de origem cabo-verdiana Elaine da Silva venceu na categoria de” Melhor Composição Inédita” com o tema “Mama África” e não conteve a emoção na hora de agradecer o prémio.

Sob uma grande ovação, Élida Almeida recebeu o prémio de “Artista Revelação” bem como uma viagem oferecida pela companhia aérea TACV. “Santa Cruz, keli é pa nhos”, afirmou Élida com emoção.

Também sob um forte aplauso, Dynamo recebeu o troféu de “Melhor Intérprete Masculino” do Ano. O cantor parecia não acreditar ter vencido nesta categoria. Quando recuperou a fala, dedicou o prémio aos pais e amigos que o acompanharam ao longo da carreira e também à ilha do Sal de onde é natural.

E o grupo de Assomada, Rapaz 100 Juiz, levou para casa mais um prémio – Disco do Ano com o álbum “Voz di Vozis”. PnC lembrou todos os artistas que se dedicam ao hip-hop em Cabo Verde e no final pediu um aplauso para a cantora Isa Pereira.

Cabo Verde e Portugal juntaram-se em palco nas vozes de Lura e Luís Represas que interpretaram o aguardado dueto surpresa da noite.

Já Jenifer Solidade foi considerada a Melhor Intérprete Feminina do ano. “Obrigada a todos que me apoiaram, inclusive ao ministro da Cultura que me ofereceu a minha primeira guitarra”, afirmou com um sorriso emocionado.

O Prémio Carreira dos CVMA 2015 foi para o grupo Cabo Verde Show, “uma referência de toda uma geração”, segundo o primeiro-ministro, José Maria Neves. O grupo que actuou ao vivo na Gala, fez os presentes levantar os pés do chão, num momento mítico em palco. Manu Lima, Renée Cabral e Boy Gê Mendes saíram do palco sob uma grande ovação do público presente.

“É a música que nos identifica, que nos liga e que nos une”, afirmou o primeiro-ministro ao entregar o prémio aos elementos do Cabo Verde Show.

E para o final ficou o prémio mais aguardado da noite, que foi entregue pela organização. Soraia de Deus e Gilyto Semedo lembraram que esta é a quinta edição dos Cabo Verde Music Awards.

Lejemea “ficou fino” no final da Gala e literalmente “pulou” de alegria ao ouvir que era o vencedor na categoria “Música Popular do Ano”.Nos agradecimentos o cantor explicou “que apenas na música é que ficou ’fino’” e dedicou o prémio à família e aos que o têm apoiado na sua carreira musical.

O encerramento da Gala deu-se ao som do “Djan bira fino” com todos os artistas a cantar ao lado do cantor de Santa Cruz, inclusive o ministro da Cultura, Mário Lúcio Sousa.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau