Sem título

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Boneca ‘Cayla’ canta, conecta e …espia 20 Fevereiro 2017

Apresenta-se como uma boneca que dialoga com a criança, a quem esta pode dirigir perguntas. E estas serão respondidas, porque a “Cayla” está ligada através de wireless a uma central gerida nos EUA pelos produtores, a “Genesis Toys”.

Boneca ‘Cayla’ canta, conecta e …espia

A indústria de brinquedos atingiu um nível de expansão tal que crianças que há poucos anos nem sonhariam em receber uma prenda – pelo Natal ou pelos anos – já podem ter a bola, a boneca que está na loja chinesa próxima. Não admira pois que muita gente aponte, como um dos ganhos da liberalização da economia, o facto de que trouxe até nós bonecas, bolas, carrinhos a 100$ e até menos, para que toda a criança ganhe a boneca da loja, o carro ou a bola feitos na fábrica.

A expansão da indústria de brinquedos é acompanhada de intensa investigação e inovação tecnológica, em resposta à demanda no mundo mais desenvolvido, onde o mercado atinge milhares de milhões de contos. Um negócio, em números estratosféricos, em que mais de 50% de vendas têm lugar no mês de Dezembro de cada ano.

É neste mercado apetecível, em que a inovação é perseguida sem cessar, que surgiu recentemente a “My Friend Cayla”. Apresenta-se como uma boneca que dialoga com a criança, a quem esta pode dirigir perguntas. E estas serão respondidas, porque a “Cayla” está ligada através de wireless a uma central gerida nos EUA pelos produtores, a “Genesis Toys”.

Primeiro a denúncia de "violação de privacidade" surgiu por parte de um cidadão dos EUA que demonstrou que qualquer pirata informático pode aceder aos dados privados, seja da criança, seja da casa através do sistema implantado na boneca.


Banida na Alemanha como "dispositivo para espionagem"

Esta semana, em Bona, uma agência federal, reguladora da indústria de brinquedos alemã, a Bundesnetzgentur, divulgou um relatório em que confirma os perigos do brinquedo.

Neste caso, diz a agência alemã, a boneca espia para a fábrica. Aliás na "idade da informação" obter dados privados, sem qualquer restrição, é o sonho (pouco ético) da indústria que precisa de informação privilegiada sobre as necessidades de consumo.

Durante 60 mil anos, diz a história, as bonecas eram feitas em casa. Nostalgia que reaviva quando a "boneca-que-canta-e-dialoga" é a prenda mais desejada. E à criança tenta-se responder com a canção: “A minha boneca de pano é linda sim/Não fala, não canta?/Mas dança só para mim! A ver se a criança aceita a boneca de fabrico artesanal. Mas o tempo não volta para trás. Por isso, as modernas instituições têm de funcionar para a boa regulação que exigem os novos tempos com novos piratas.

Fontes: Bundesnetzgentur.de; fotos no site da fábrica

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade






Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau